Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
TODAY’S SOUND: BLANK CITY E NO WAVE POR ARTHUR MENDES ROCHA – Japa Girl












































































    Encontrei essa cachorra, com mais de 10 anos, castrada, com uma cirurgia ainda cicatrizando na região torácica, cheia de moscas e pulgas, na pracinha em frente ao colégio Santa Cruz, região de Pinheiros. Muito fraca, está pele e osso. Internei no @citvet por 24 hrs, está inteira, sem anemia, sem infecção, fígado e rins bons! Acredito que fugiu! Por favor me ajudem compartilhando, deve ter um dono procurando por ela. Por hora, colocamos o nome de Angelita. #cachorraperdida #procurasecachorroHoje!!!
#climatestrikeLunatic Magic Beware...🦇 Theophile-Alexandre Steinlen “Chat au Clair de Lune”, c 1900Greve Global pelo clima - São Paulo, 20.9.2019! É de suma importância que todos participem dessa greve global. Acontece que a Amazônia, o Pantanal e o Cerrado, continuam queimando, numa destruição avassaladora, apesar da pressão feita até agora. Além disso, incêndios se espalham por diversos cantos do mundo, como Sibéria, Indonésia e o continente africano. Não podemos relaxar, enquanto mudanças significativas sejam aplicadas de fato.Emocionante! Nunca vi passeata igual, com tanta gente. Acordamos. Graças à Deus e Deusa. Não podemos mais permitir que isso aconteça as Florestas e aos Animais. Fora demônio #forasalles #sosamazoniaPor favor assistam!Gigante pela própria natureza e pela própria ignorância 🇧🇷Precisamos ir para a rua protestar urgente!!! Profundamente abalada com a destruição de lugares sagrados, lugares que sustentam a Vida neste planeta! Todos vão sofrer as consequências desse desmatamento e queimadas! Árvores de 500 anos já eram! Estão encontrando animais queimados, jamais estudados ou conhecidos pelo homem! Estamos sentenciando nossa existência. #prayfortheamazonÉ com profundo pesar, estão cortando uma pequena floresta de no mínimo 70 anos, que cresceu numa casa desocupada. Ainda que haja autorização da PMSP e compensação em outro local, como fica o entorno? Quem irá compensar os morcegos e periquitos que moram nessas árvores?Unforgetable veggie lunch exxxperience!
Thank you so much @saporebrasil @pietroleemann @lideresempreendedores 
Risoto com aspargos verdes e abóbora, contraste de mousse de couve-flor defumada e arroz silvestre crocante.

                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

TODAY’S SOUND: BLANK CITY E NO WAVE POR ARTHUR MENDES ROCHA

Acabo de assistir ao documentário “Blank City”, filme sobre o No Wave, o movimento undergrond nova-iorquino que misturava música, cinema, performances e artes plásticas no final da década de 70, em New York.

blank-city-poster

O movimento No Wave foi uma resposta a um momento que a cidade de NY vivia de falta de opções para determinados artistas alternativos, que não tinham como se expressar e resolveram juntar-se e propor algo de novo no mundo das artes, tudo feito por eles mesmos, sem dinheiro, mas com muito talento e criatividade.

O doc mostra cenas de vários filmes feitos na época com baixíssimos orçamentos, além de entrevistas com figuras fundamentais do movimento e do underground NY como Debbie Harry (a vocalista do Blondie e atriz em muitos dos filmes do movimento), John Lurie (músico, ator dos filmes de Jarmush), Jim Jarmush (o cineasta de ‘Stranger than Paradise”, e do qual falaremos num post especial), John Waters (o rei do trash-cinema), Thurston Moore (do Sonic Youth), Steve Buscemi (que na época era ator de pequenos filmes como “Parting Glances”), Glen O’Brien (membro Da Factory e editor da Interview), Ann Magnuson (atriz e performer em clubs como Club 57 e Mudd Club), Susan Seildelman (diretora de “Smithreens” e ‘Desperately Seeking Susan”), Fab Five Freddy (um dos precursores do hip hop), Kembra Pfahler ( do grupo The Voluptous Horror of Karen Black e que também merecerá um post), entre outros.

 varias

Todos eles moravam no downtown, no East Village, que era um lugar sujo, mal cuidado, cheio de ratos, insetos e muitos mendigos de rua; o aluguel era barato e todos se drogavam e iam se divertir nos clubs da época como o Peppermint Lounge, o CBGB’s ou o Max’s Kansas City, lugares onde esta geração troca idéias que iriam mudar o cenário das artes.

blank-city--foto-1

A No wave é fruto direto do punk, do Dada, com atitude DIY (do it yourself), com filmes baratos, influenciados por diretores europeus como Godard, Antonioni, Melville, flyers e fanzines feitos de Xerox, sempre contestando uma sociedade já começava a sentir os efeitos da Aids e da criminalidade.

foto-2

Uma de suas principais representantes é Lydia Lunch, que aparece no documentário dando vários depoimentos, já que foi uma musa da No Wave, ela cantava na banda Teenage Jesus and the Jerks (no vídeo abaixo) e sua figura branca de cabelos bem pretos arrepiados também chamava a atenção dos cineastas independentes.

Ela foi convidada a aparecer em dois filmes dos cineastas Scott B. e Beth B. (que também estão no doc) como “Black Box” (de 1978) e “Vortex” (1983), bem como filmes de Vivienne Dick como “She had her gun all ready” (1978) e “Beauty becomes the beast” (1979).

Lydia+Lunch---foto-1

Lydia acabou participando de várias bandas até se dedicar à carreira solo, fazendo leituras, performances, poesia; ela é uma entidade do underground nova-iorquino e até hoje está na ativa, gravando e fazendo shows.

lydia-lunch-foto-2

Ela sempre optou por uma carreira independente, lançando seus trabalhos por selos pequenos ou selos próprios e trabalhando em colaborações com os mais diferentes artistas como Sonic Youth, Birthday Party, Nick Cave, Marc Almond, Einstürzende Neubaten e muitos outros.

lydia-lunch3

Do grupo Teenage Jesus and the Jerks também participava James Chance, inclusive a banda terminou com a saída de Chance (que também se envolveu romanticamente com Lydia). Chance é um músico importante na cena e que misturava funk com jazz mais punk rock, integrando também as bandas The Contortions, James White & The Blacks (também presentes no filme “Downtown 81”) e muitas outras.

james-chance

Ele continua na ativa, agora como James Chance & Terminal City, gravando e fazendo shows.

Outro que também está no doc é Nick Zedd, com o qual Lydia estreou em “The Wild World of Lydia Lunch” (no vídeo abaixo) e que é um cineasta que circulava nesta mesma turma de artistas descontentes e que queriam transgredir, ele inclusive cunhou o termo “Cinema of Transgression” (Cinema de Transgressão), com filmes feitos para chocar as plateias e carregados de humor negro.

Alguns de seus filmes incluem “They eat scum” (1979), “The Bogus man” (1980) “Geek Magott Bingo” (de 1983), além de publicar e editar o Underground Film Bulletin, de 1984 a 1990; com seu look andrógino, ele também aparecia vestido de mulher em alguns filmes.

Zedd também é autor, pintor, diretor de fotografia, cantou em bandas de rock  e também participou de alguns filmes como ator (como “The Manhattan Love Suicides”); no filme “They eat scum”, ele “inventou” o death rock com a fictícia banda punk canibalística, a Suzy Putrid and the Mental Deficients”.

 ajuste

Outro cineasta do cinema transgressor é Richard Kern, também fotógrafo e escritor, que colaborou em um dos primeiros vídeos do Sonic Youth, ‘Death Valley 69”, quando eles eram uma banda iniciante em 1985. Kern dirigiu filmes experimentais como The Right side of my brain”(1985), “Fingered” (1986), entre outros, com temas como sexo, perversão e violência.

Ele também editava fanzines undergrounds sobre poesia, arte, fotografa, ficção intitulados ‘The Heroin Addict” e ‘The Valium Addict”, de 1979 a 1983.

no-wave---richard-kern

Kern foi também quem descobriu Lung Leg (também no doc) a qual era estrela de seu primeiro filme “You killed me first” (1985), além de participar de outros filmes e ficar conhecida como a garota da capa do disco EWOL do Sonic Youth (foto abaixo) e também pelos romances com Blixa Bargeld e Nick Cave, uma figura especial do movimento.

no-wave---lung-leg

Um filme que aparece bastante no doc é o “Downtown 81”, pois é um dos filmes que melhor retrata este movimento pós-punk nova iorquino, estrelado por Jean Michel Basquiat e Debbie Harry, entre outros, mostrando muitas cenas dentro dos clubs, nas ruas,os grafites, toda aquela efervescência cultural que acontecia na época.

downtown-81

Uma figura de destaque também é Patti Astor, outra das musas do movimento, atriz de ‘Unmade Beds’, “Underground USA” (de Eric Mitchell) e que ficou conhecida pelo filme “Wild Style”, que mostra o início da cultura hip-hop de NY e tornou-se um cult.

blank-city---patti-astor

Astor e seu visual descolorido, com figurino super moderno (fotos acima e abaixo), também era dona da galeria FUN, uma das primeiras galerias a surgirem no East Village nos anos 80, exibindo a graffiti art de artistas como Basquiat, Keith Harring, Futura 2000, Kenny Scharff, entre outros.

no-wave---patti-astor-2

Outro cineasta importante do No Wave é Amos Poe, que aparece em várias entrevistas no doc e que inclusive é o co-diretor (juntamente com Ivan Kral) do cultuado “Blank Generation’ (1976), um dos primeiros filmes genuinamente punks e que nada mais é do que o registro de bandas, que na época eram iniciantes, se apresentando, tais como Talking Heads, Television, Patti Smith, Wayne County, Blondie, entre outras.

Posters-Blank-generation

Amos Poe também é um dos precursores do No Wave Cinema como “Unmade Beds” (1976), “The Foreigner’ (1978), ambos com Debbie Harry, e “Subway Riders” (1981), entre outros.

ajuste2

Ele também dirigiu os programas de Glen O’brien e Chris Stein, para a TV a cabo, chamados ‘TV Party” (de 1978 a 1981), fundamentais para saber o que estava acontecendo no cenário cultural underground e que podemos ver algumas cenas abaixo com participações de Debbie Harry, Klaus Nomi, Fred Schneider (do B-52’s) e outros:

Amos até hoje continua a dirigir, roteirizar e uma de sua ultimas colaborações é “The Guitar” (2007).

no-wave---foto-1

O movimento No Wave foi muito especial para NY, deu um novo alento à cidade, que enfrentava forte crise econômica, desem-prego, e reuniu talentos incríveis que viam na arte a sua válvula de escape, a maneira de expressarem aquilo que acreditavam e que pelo qual lutavam. Não era pelo dinheiro apenas, era para transformar suas idéias em realidade, para espalhar os pensa-mentos de um coletivo de amigos e conhecidos que marcaram para sempre a cultura mundial.

   Comentário RSS Pinterest