Getty Villa é uma réplica exata do  Palácio dos Papiros, escavado das cinzas em Pompéia...Mummy portrait of a woman Romano-egyptian A.D. 100-110Boa segunda! Boa semana!Since 1987
@lizandray @kikizinhaTwilightSatisfação enorme em rever meu Irmãozinho @thronnsk8mag ❤️

                
       





















bloglovin



CURRENT MOON

Today’s Sound: Repulsion por Arthur Mendes Rocha

Mais um filme de Polanski está presente na nossa lista de Halloween e este também é outro filme que adoro: “Repulsion” (Repulsa ao Sexo).

Uma das coisas que me atraiu em ver o filme pela primeira vez foi, além da direção de Polanski, a presença de Catherine Deneuve (no auge de sua beleza) e a ação ser em plena swinging London, nos anos 60.

Deneuve está maravilhosa e assustadora como a perturbada e frígida Carol Ledoux, uma manicure belga que trabalha em um salão de beleza inglês, localizado no chique bairro de Kensington.

Apesar de bonita, Carol não se dá bem com os homens, ela tem receio destes e evita um maior contato, apesar da insistência da irmã, Helen (Yvonne Furneaux, que havia participado de “La Dolce Vita” de Fellini).

Ela é extremamente tímida, não troca olhares com ninguém e parece estar fora daquele movimentado ambiente do salão.

Aos poucos vamos percebendo que Carol despreza os homens, especialmente em virtude de sua convivência com o cunhado e o medo de ser violentada.

As duas dividem um apartamento, mas em um fim de semana, Helen vai viajar com o  seu affair (já que na verdade ele é casado com outra) e Carol fica sozinha em casa.

Ela começa a ter reações cada vez mais esquisitas, ela não come um coelho que sua irmã havia feito e deixa apodrecendo na mesa, além de ter alucinações.

Uma de suas alucinações é uma das melhores e mais famosas cenas do filme: a em que ela sonha que mãos estão saindo das paredes e atacando-a.

Todas as pessoas que tentam um contato com ela como Colin, um de seus pretendentes, acabam sendo assassinados das maneiras mais inesperadas.

Outra visita como a de seu senhorio, que tenta avançar sobre ela, acaba em novo crime e Carol cada vez mais perturbada.

O filme vai mostrando esta descida de Carol a um abismo de medo e loucura, pontuado por pesadelos, fazendo com que ela fique cada vez mais distante da realidade e entrando num transe psicótico.

‘Repulsion” foi todo filmado em p&b, com direção de fotografia de Gilbert Taylor, responsável pela fotografia de filmes como “Dr. Fantástico”, “Star Wars”, “A Profecia”, entre outros.

Um outro atrativo do filme é que a câmera assume o ponto de vista da protagonista (algo novo para a época), além da inventividade de Polanski em criar os climas de desespero de Carol.

Um dos elementos que utiliza para mostrar o tormento que a personagem vai experimentando é a imagem de paredes rachando, sombras em baixo de portas, além de um magnífico uso do som.

“Repulsion’ lida com repressão, medo do sexo, esquizofrenia e é o primeiro filme de Polanski falado em inglês, logo após sua estréia com “Knife in the water” (Faca na água), que o tornou famoso no mundo inteiro.

Polanski consegue nos envolver num misto de horror com surrealismo, tendo ao fundo um ambiente claustrofóbico.

Junto com “Rosemary’s baby’ e ‘The Tenant” (O Inquilino), ele faz parte da chamada trilogia dos apartamentos.

Para apreciar o filme em todo seu esplendor, sugiro ver a cópia da Criterion, que remasterizou os negativos originais, dando ao filme uma qualidade impecável de imagem e som, além de documentários especiais e até um behind-the-scenes.

Apesar do filme não explicar exatamente a origem da psicose de Carol, o filme é um terror psicológico de primeira.

   Comentário RSS