Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
TODAY’S SOUND: TOM MOULTON POR ARTHUR MENDES ROCHA – Japa Girl



























































                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

TODAY’S SOUND: TOM MOULTON POR ARTHUR MENDES ROCHA

A Tom Moulton mix – toda vez que esta frase vinha na capa de um disco, já sabia que ouviríamos um remix feito com qualidade, feita por um expert. Tom Moulton é produtor, remixer e é considerado o cara que inventou o single de 12 polegadas (12” mix), o remix, além de ter criado o disco-break.

Tommoulton

Tom nasceu nos arredores de NY e desde cedo já gostava de música, sabia que era com isto que gostaria de trabalhar, pensando em ser um DJ nos anos 50.

Ele se decepciona com o DJ que conhecia e viu que deveria seguir outro caminho, trabalhando em lojas de discos, depois como promotor em algumas gravadoras.

tom-moulton-harry-chipetz-and-leon-huff

Tom Moulton com Harry Chipetz e Leon Huff (da dupla de produtores Gamble & Huff)

O dinheiro era pouco e ele é convidado a ser modelo, o que ele acaba topando, mas não por muito tempo.

TOM 1

Ele frequentava as festas em Fire Island, o local procurado pelos gays nos feriados/férias; quando ele viu que havia pessoas como ele, que gostavam de dançar música negra, ele se sentiu realizado.

Num destes lugares de Fire Island, o The Sandpiper, ele deixa uma fita com 45 minutos de músicas mixadas por ele. Estas músicas acabam agradando e ele é convidado a gravar mais e mais fitas.

tommoultonbettymidler

Tom e Bette Midler

Uma coisa que ele sempre notou foi que as músicas duravam sempre de três a quatro minutos, ele queria estender a duração de uma música boa, de maneira que esta fosse curtida (e dançada) por mais tempo.

tom moulton

Tom com Mel Cheren, o fundador da West End Records, e outros.

Assim, ele procura várias gravadoras atrás de versões instrumentais das músicas para as pistas, de maneira que pudesse transformar estas faixas.

Uma de suas primeiras tentativas em “aumentar” o tamanho de uma faixa foi com a música “Do it till you’re satisfied”, do B.T. Express (que a princípio não gostara do resultado, mas tiveram que se render quando a versão de Tom atingiu as paradas):

A criação do 12” foi totalmente casual, segundo o próprio Tom fala: certa vez ele foi masterizar um disco do grupo The Trammps e a pessoa que fazia isto para ele, Dominic, estava de saída. Havia um outro técnico, José Rodriguez, que o ajudou. José fazia tudo que Tom pedia e de maneira certa, assim ele passou a masterizar todos os discos de Tom.

tom e first choice

Tom Moulton com o First Choice

Tom precisava fazer acetatos (a primeira matriz antes do disco se tornar vinil) de uma música de Al Downing, ‘I’ll be holding on”, e pediu ajuda a José, porém este só possuía discos de 10 polegadas para gravar a masterização (os de 7 polegadas estavam esgotados naquele momento). Tom quis fazer assim mesmo, num disco maior e quando este ficou pronto, ele percebeu que a música ficava bem mais encorpada, maior, os grooves mais espalhados, além de ficar com o som mais alto.

 A próxima música que mixaram foi num de 12 polegadas, a música “So much for love” do Moment of Truth, assim nascia o 12” mix (que não era ainda o 12” comercial):

Em toda sua carreira, Tom Moulton mixou nada menos que 4.000 músicas em 12 polegadas, a coisa bombou de tal maneira que Tom mal dormia para conseguir atender a demanda.

O primeiro 12” que ele fez com o objetivo promocional, o chamado test pressing para Djs, foi com a música “Freeman” do Southshore Comission:

A criação do disco-break também foi totalmente feita ao acaso: ao mixar a música ‘Dreamworld” de Don Downing, Tom fala que a chave de gravação da mesa ficava pulando de lugar em determinadas partes da música (já que ele estava tentando aumentar a faixa) e isto fez com que ele tirasse algumas partes musicais (dos instrumentos) da canção e apelasse para um “drum break”, colocando depois a percussão e o baixo de volta, dando assim uma ‘quebrada” (break). Ou seja, nada havia sido planejado antes por Moulton como podemos escutar aos 02:40 na faixa abaixo, um dos momentos mais importantes da música moderna:

Em 1974, ele é convidado para trabalhar no primeiro disco de Gloria Gaynor, “Never can say goodbye”, nome também de seu hit na época. O que Tom fez foi “estender” três músicas do álbum (que além de Never eram “Honey Bee” e “Reach Out”), de maneira que elas parecessem uma só, ou seja, ele tirou a separação entre elas, como um megamix, o que era novidade na época (e depois foi copiado por vários, incluindo Donna Summer).

Porém, Tom lembra com certo amargor que, quando Gloria ouviu a versão, ela comentou: ‘Eu quase não canto”.

Tom passava a ser o remixer mais solicitado da disco music, remixando várias músicas do selo Salsoul Records, como ‘Doctor Love”, do First Choice:

E também ‘My love is free” do Double Exposure:

Entre os vários hits que ele ajudou a bombar com o seu toque estavam ‘I love music” do The Ojay’s;

E “Disco Inferno”, o grande sucesso do The Trammps (incluído na trilha de Saturday Night Fever) e talvez uma das músicas mais emblemáticas da disco:

Outra faixa que Tom mixou foi “More, More, More” de Andrea True Connection (a produção é de Greg Diamond):

Tom também passa a ter o seu próprio selo, Tom n’ Jerry Records (junto com seu irmão, Jerry), primeiramente distribuído pela Salsoul e depois pela Casablanca, com a qual lançou “I don’t need no music”, assinado por T.J.M. e produzida por ele:

Ele passa a ser chamado para produzir artistas como Grace Jones, para a qual produz os três primeiros álbuns: “Do or Die”, “Portfolio” e “Fame”. Inclusive, ele foi o responsável por um dos grandes hits de Grace, a versão disco de ‘La vie em rose”:

Com o passar dos anos, mesmo com a decadência da disco music, Tom não parou de trabalhar, talvez com menos intensidade, mas ele continuava dando o seu toque.

TOM BEAT

Em 1980, ele remixa “Love Sensation” de Loleatta Holloway, uma das músicas mais sampleadas da dance music (como em ‘Ride on time” do Blackbox e “Good vibrations” do Marky Mr & The Funk Bunch):

Nos anos 90, ele lançou novos remixes para a Salsoul, juntamente com DJs da nova geração, sendo que até hoje ele é o arquivista oficial do selo.

TomMoulton2

Nos anos 00, várias reedições foram lançadas dos seus remixes, como a compilação de 2004, “A Tom Moulton Mix”, lançado pelo selo inglês Soul Jazz.

TOM MOULTON MIX

Seu trabalho começa a ser redescoberto pelas novas gerações.

Também foram sendo lançadas novas compilações remixadas por ele, como a “Philly Regrooved”, que já possui três volumes e também ‘Philladelphia International Records: The Tom Moulton Mixes”, onde se destaca seu remix de “Love is the message” do MFSB:

Em 2004 ele finalmente foi reconhecido pelo Dance Music Hall of Fame.

E 2006, ele remixou várias faixas novas do Brand New Heavies.

TOM HOJE

Tom continua na ativa, sendo constantemente convidado a remixar novos ou antigos sucessos, dar palestras e ele sempre será o “mestre do remix disco”, o inventor do jeito que ouvimos e dançamos a música feita para as pistas.

 

 

 

 

 

   Comentário RSS Pinterest