Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
Minha musa favorita, a Marquesa Luisa Casati – Japa Girl












































































    Wake up, Mthrfckrs! 
#10yearchallengeHappy Halloween from Vampirina 🖤“The Proposal” ( between 1880 - 1889) by Knut Ekwall (Swedish - 1843 - 1912)Full purple bloom galore!
#flordesaomiguel #violeteira #ravenala #kaizukaPapa Pirate & Mama Mermaid
#agathalunaJust opened! #cattleyaThe Death of Cleópatra 
Jean Andre Rixens - 1874How sundays should be ✨❤️✨About the happiest Easter ever!
Special thanx @marciosleme @milplantas🖤

                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

Minha musa favorita, a Marquesa Luisa Casati


Marquesa Casati with greyhounds. Portrait by Giovanni Boldini, 1908


Preciso contar a história de uma das minhas grandes inspirações na vida, ícone lendário de Veneza, motivo do meu fascínio pela La Sereníssima, a excêntrica Marquesa Luisa Casati.

Quando lí a sua biografia em 2007, confesso que não conseguia mais sair de casa, só lia sobre as suas aventuras chiquérrimas pelo universo das artes e delirava…

Nascida em Milão em 1881, herdeira de uma fortuna vindo da produção de algodão, Luisa e sua irmã mais velha, ficaram órfãs aos 13 anos apenas, se tornando as meninas mais ricas da Itália em sua época.

No ano de 1900 se casou com o falido Marquês Camillo Casati que lhe deu o título de Marquesa, uma filha chamada Christina (no point intented…) e uma vida um tanto infeliz.

Mas a minha musa não se conformaria a uma mera vida de esposa da Belle Époque não.

Logo, devidamente morando em residências separadas de seu marido, La Casati tratou de criar o seu célebre personagem  femme fatale fabulosa e patrona das artes.


Palazzo Venier dei Leoni


Dando início ao seu projeto comprou palácios de sonho e os decorou com absoluta extravagância; a Villa San Michelle em Capri, o Palais Rose em Paris e o palazzo Venier dei Leoni em Veneza.

O mais emblemático de todos, o Palazzo Venier dei Leoni no Grand Canal, onde fica hoje o museu Guggenhein, foi o palco de suas lendárias festas e como é de se esperar, ponto altíssimo da minha viagem.

Este palazzo inacabado em semi-ruína (foi construído apenas o primeiro andar) foi a sede da também milionária/excêntrica Peggy Guggenhein anos mais tarde, que na minha opinião seguiu os passos da Casati, é uma das poucas propriedades que possuí um jardim daquela dimensão.

Foi um momento na minha vida!


Sentada no trono de mármore de Casati visto maxi skirt Superonic, casaco de veludo Maria Bonita e jaqueta de couro D'Arouche



Realizada no banco do quintal de Luisa Casati


Luisa Casati se definiu como obra de arte viva e se vestia absurdamente.

Paul Poiret era sempre contratado para vesti-la em suas sensacionais festas, assim como o grande mestre Erté (que inspirado nela desenhou e esculpiu grandes coleções), Léon Bakst (figurinista do Ballet Russes e parceiro de Diaghilev) e Mariano Fortuny.

Vivo estudando o comportamento das grandes divas e um ponto em comum que todas tem é o amor aos animais, mas a Marquesa alçou isso há outros patamares.

Em sua companhia haviam sempre duas cheetahs que ela guiava em coleiras cravejadas de brilhantes Cartier.

Inclusive, a coleção Panther de Cartier, foi completamente inspirada nela, tá?

Em volta do seu pescoço se enrolava a sua jibóia de estimação e pássaros exóticos, como corvos albinos, voavam livremente pelas suas salas e seus greyhounds (sempre um preto e um branco) eram retratados em suas pinturas ao seu lado.

Era famosa pelos seus passeios noturnos em sua gôndola chiquérrima particular, onde desfilava nua, com apenas um casaco de pele por cima.

Em sua companhia estavam seu gondolier, um negro Núbio belíssimo, que era devidamente vestido como um mouro de turbante do séc. XIX e seus macacos iam vestidos como dandys da corte.


Casati by Man Ray, 1922


Marquesa Casati by Man Ray, 1922

Alta e magra, Luisa realçava o olhar com gotas de Belladona que faz a pupila dilatar e dava um efeito monstruoso aos seus enormes olhos verdes sempre maquiados com muito kohl e cílios postiços.

Seus cabelos cor de fogo a base de henna, coroavam a sua cadavérica pele branquíssima e lábios cor de sangue.

Seu grande talento era se vestir e suas pérolas costumavam chegar ao chão.

Várias coleções de Haute Couture foram inspiradas nela, a primeira delas Spring/Summer 1998 de John Galliano para Dior e novamente Autumn/Winter 2007/2008.

Karl Lagerfeld que possui um portfolio de sketches sobre a Marquesa, inspirou a sua coleção Cruise 2009/2010 ready-to-wear para Chanel.

Bem antes de tudo isso, inspirou Elsa Schiaparelli e Coco Chanel (que após a falência de Casati, comprou um lote inteiro de suas peças de decoração como aquela dupla de veados de bronze).

Era motivo de intriga entre Marcel Proust e o conde Robert de Montesquiou.


Pastel by Alberto Martini



John Galliano for Christian Dior Haute Couture SS98



John Galliano for Christian Dior Haute Couture, SS98


Em busca pela imortalidade seu retrato foi pintado pelos maiores artistas da sua época como seu amisissímo Giovanni Boldini, Augustus John, Kees Van Dongen, Romaine Brooks, Ignácio Zuloaga entre outros.

Foi esboçada por Drian, Alberto Martini e Alastair, esculpida por Giácomo Balla, Barjansky Catherine, Jacob Epstein e retratada por ninguém menos do que o surrealista Man Ray, Cecil Beaton e o Baron Adolph de Meyer.


Marquesa Luisa com Giovanni Boldini e Paul Cesar Helleu em seu jardim em Veneza



Marquesa Casati by Giovanni Boldini


Reza a lenda que, em seu palácio em Roma, Picasso participou de um sarau enquanto em outra ocasião,  fantasiou-se como obra de arte inspirando o próprio Salvador Dali.

Seu grande affair foi com o escritor Gabrielle D’Annunzio que por consequência, escreveu diversos de seus livros usando a persona de Casati.

Ou seja, a Marquesa Casati conseguiu ser a musa de diversos movimentos de arte, os surrealistas, os futuristas, os fauvistas e dadaistas.

Musa profissional, conquistou o fascínio de poetas a pintores de músicos a couturiers, escritores e escultores.


La Casati by Man Ray, 1935


Suas festas eram objeto de lenda.

Certa vez em Veneza, organizou uma festa a fantasia para (meu herói também) Diaghilev e sua companhia de dança, o Ballet Russes.

Nesta festa, os maiores bailarinos daquela data, Nijinski convidou Isadora Duncan para uma dança para deleite dos convidados.

Em outra ocasião, num jantar em seu palácio, a Marquesa Casati recebia com bonecos de cera muitíssimo bem vestidos, em tamanho natural sentados a mesa exatamente como se fossem convidados.

Seus pratos eram servidos e retirados de acordo com o desenrolar do serviço. Corria um boato que na região do coração destes manequins haviam cinzas de seus amantes passados.

Seus servos estavam quase nus, cobertos com folha de ouro.

Debaixo de toda essa teatricalidade macabra, suas orgias celebravam o oculto, regadas a absyntho e ópio.

Outra característica forte das divas que estudo é a habilidade de fazer uma entrada em qualquer ambiente que seja e Luisa Casati era mestre nessa arte.

Durante um verão em Veneza, conseguiu autorização com o prefeito para fechar a Piazza de San Marco para realizar um baile de máscaras e foi o verdadeiro frenesi.

Sua chegada, através da lagoa, era precedida por uma sucessão bandeiras com o seu brasão em mastros, lanternas chinesas acesas sobre a água e descendo da sua gondola, abriu os braços e lançou 2.000 borboletas em liberdade.

O chão da praça chegou a tremer com tantos aplausos recebidos.

E assim, a estrela mais brilhante da sociedade européia torrava a sua fortuna.


Erté



A Marquesa inspirou a coleção Panther de Cartier, que até usou esmeraldas para combinar com o verde dos seus olhos


Em 1930, Luisa havia acumulado uma dívida de 25 milhões de dólares e incapaz de pagar os seus credores, seus pertences foram  leiloados e confiscados no Palais Rose em 1932.

Vendeu todas as suas obras de arte, que por tantos anos apadrinhou e foi morar em Londres.

Obcecada pela própria imagem, sua aparência ainda era lenda e era vista em seus nobres trajes só que estes já puídos e rasgados, vasculhando o lixo.

Faleceu em 1957 aos 76 anos em Beaufort Gardens, sua última residência.


Portrait by Augustus John


A Marquesa foi enterrada no cemitério de Brompton vestida de negro com barrado de onça e seu cachorrinho pequinês empalhado descansa com ela.

Em sua lápide escolheu uma frase de Skakespeare na peça de Antonio e Cleopatra:

Age cannot wither her, nor custom stale her infinite variety.


Quer mais um pouquinho?


John Galliano para Christian Dior couture, SS08



John Galliano para Christian Dior couture, SS08



John Galliano para Christian Dior couture, SS08



Karl Lagerfeld para Chanel Resort 2010


Meus livros pesquisados sobre a vida da Marchesa:

   Comentário RSS Pinterest   


5 Comments
  1. Gostaria de saber se existem livros traduzidos em português sobre a vida da Marquesa ou filmes que retratam a vida dela .Adorei a historia e gostaria de saber sobre essa bibliografia que VC leu…Muito obrigado!

  2. eu amo essa mulher gostaria de saber mais e compra o livro mais nao sei como caso vc tenha vc poderia postar fotos no facebook

  3. necesidad de comprobar:)

  4. Olha… fiquei espantada com essa mulher… acho que devemos ser parentes, pois minha família vem da região de Milão… e “loucas”, fortes, indenpendentes e perseverantes todas da família são. Adorei os retratos e fiquei curiosissima para conhecer o lugar. Beijos e obrigada por proporcionar essa alegria.

  5. [...] para 6 pessoas, incluindo você e pudesse convidar personalidades que já morreram, quem seriam? Marquesa Luisa Casati, Oscar Wilde, Sergei Diaghilev, Ian Curtis e a Peggy Guggenheim que tenho certeza que se inspirou [...]