Nada como voltar pra casa e me deparar com a explosão das #orquídeas #DendrobiumNobile ! Primavera chegando...Getty Villa é uma réplica exata do  Palácio dos Papiros, escavado das cinzas em Pompéia...Mummy portrait of a woman Romano-egyptian A.D. 100-110Boa segunda! Boa semana!Since 1987
@lizandray @kikizinhaTwilight

                
       





















bloglovin



CURRENT MOON

Posts Tagged ‘funk’

Seu Bené, original style

Seu Bené é uma banda animadíssima de Rock, Ska e Funk, três de seus integrantes foram fotografados por Jorge Lepesteur e estilizados por Japa Girl para este 1 Look.

No próximo dia 10 de Novembro, Seu Bené vai tocar no Skarrocks, festival de música e arte, no Centro Cultural Rio Verde na Vila Madalena em São Paulo. Não percam!

Gustavo Morozini, o Gus (voz e guitarra) veste:

Óculos - Chilli Beans coleção Ronaldo Fraga

Calça – Rockstter

Camiseta – Cavalera

Jaqueta – KNT Denin

Echarpe – Adolfo Dominguez

Tênis - Etnies

Guilherme Bianchini, o Xiguela (bateria) veste:

Óculos  - Chilli Beans linha Vista

Chapéu Fedora – Chilli Beans

Camisa – Hurley

Camiseta – Adidas Originals

Calça – Levi’s

Tênis - Vans

Casaco – Marcelu Ferraz

Theo Teixeira Fontes (percussão) veste:

Óculos – Chilli Beans coleção Herchcovitch

Relógio – Chilli Beans

Camiseta – Adidas Originals

Moleton – Adidas Originals

Boné – Marcelu Ferraz

Calça - Levi’s

Tênis – Vans

Créditos produção:

Produção de Moda – Mari Monteiro

Making of Glamour Tv (coming soon) – Pedro Vilhena

Assistente Making of  - Ronaldo Cahin

Produção geral  - Bruno Divetta

   Comentário RSS   
 

Today’s Sound:TALKING HEADS – CHRONOLOGY por Arthur Mendes Rocha

Acaba de ser lançado no Brasil, via ST2, um DVD imperdível de uma das bandas mais bacanas que já se teve notícia: “Chronology” dos Talking Heads.

O Talking Heads surgiu na efervescente cena nova-iorquina de meados dos anos 70, quando punk, hip-hop e disco se mesclavam e faziam da cidade um dos lugares mais cool do planeta, apesar da crise econômica que o país atravessava.

A banda, liderada por David Byrne, era primeiramente um trio e depois passou a ter quatro integrantes fixos, mais alguns colaboradores que faziam uma “cozinha” mais funk.

O DVD mostra exatamente estas mudanças na banda, já que vemos várias apresentações ao vivo dos Talking Heads no período entre 1975 a 1983, seja em lugares pequenos como o CGBG até enormes auditórios para grandes shows, assim que a banda vai ganhando notoriedade.

Os shows são históricos e alguns até inéditos, pois foram recuperados através de um intenso trabalho de pesquisa que levou alguns anos para ser finalizado.

Assim, vemos dezoito apresentações em lugares que vão desde o Kitchen em NY, passando pelos programas Saturday Night Live e Dave Letterman  até em campus de universidades americanas.

Entre os destaques está a versão de “Psycho Killer” apresentada em toda sua glória no CGBG em 1975:

Outro ótimo momento é quando eles se apresentam no influente programa inglês “Old Grey Whistle Test” em 1978 interpretando “Don’t worry about the government”:

Também merece destaque é “Crosseye and painless”, apresentada no Capitol Theatre em 1980, onde sentimos uma forte mudança no som da banda com a adição de dois membros do Funkadelic , com uma pegada bem mais negra e funkeada:

Se me perguntassem por uma banda que eu gostaria que voltasse, a resposta seria sem dúvida o Talking Heads.

Em 2002, eles ensaiaram uma volta, apresentando-se pela primeira vez, desde a sua separação (que se deu oficialmente em 1991), para sua entrada no Rock and roll Hall of Fame interpretando ‘Burning down the house”  e “Life during wartime”:

O Talking Heads foi uma das bandas mais avant-garde que se tem notícia, com forte influência new wave, estavam muito à frente de seu tempo. Estas apresentações estão filmadas em P&B, em cores, algumas são registros amadores, mas são um documento incrível de uma banda que merece toda nossa atenção.

   Comentário RSS   
 

Today’s Sound: Isaac Hayes por Arthur Mendes Rocha

Ele foi uma das grandes vozes do soul, flertando com o funk e a disco, Isaac Hayes foi o primeiro músico negro a ganhar um Oscar e chegou a ser um rei honorário na África.

Isaac Hayes era órfão de pai e mãe e foi criado pelos avôs, ele cantava na igreja desde pequeno e viu que através da música, as garotas se interessavam por ele.

Entre os muitos empregos que teve para se manter, um deles foi cozinhando em restaurantes, o que o levou a ter paixão pela culinária.

Ele se juntou ao grupo musical de sua escola, aprendeu a tocar saxofone e piano, bem como  participou de grupos de gospel, do-wop,  jazz e blues.

Foi em 1964 que ele conseguiu um emprego como músico na gravadora Staxx, trabalhando com Ottis Redding e logo viria a trabalhar como compositor de Carla Thomas, Sam & Dave, entre outros.

Hayes acabou por moldar na Staxx o que ficou conhecido como o “Memphis sound”, o típico som feito pelos artistas negros daquela região e que acabou influenciando de Ray Charles a Elvis Presley.

Em 1969, ele lança o disco que mudaria para sempre sua carreira: “Hot buttered soul”, composto de apenas quatro músicas enormes como “Walk on by”

O disco foi um sucesso, chegou a primeiro lugar na parada R&B da Billboard e mostrava uma nova direção do soul, com arranjos mais elaborados e uma nova concepção do álbum de soul, até mesmo a capa com a cabeça de Isaac raspada era revolucionária.

Mas foi em 1971 que Hayes lançaria o disco que virou sua marca registrada: a trilha sonora do filme “Shaft”. O filme foi um hit inesperado, era blaxploitation, mas teve um sucesso comercial retumbante, sendo que era a primeira vez que um artista soul tinha um disco em primeiro lugar nas paradas de R&B e Pop ao mesmo tempo:

Além disso, a trilha ganhou o Oscar, o Globo de Ouro e três Grammys.

Seu disco seguinte, “Black Moses” também foi um hit, incluindo o sucesso “Never can say goodbye” e fazendo-o excursionar pela Europa pela primeira vez:

Entre 1969 e 1980, Hayes chegou a ter vinte álbuns nas paradas de sucessos, inclusive tendo dois álbuns ao mesmo tempo nos charts no início dos anos 70.

Nos anos seguintes, Hayes lançou muitos álbuns, participou como ator em vários filmes e séries, sua música foi sampleada por artistas que vão de Portishead a Destiny’s Child, passando por Dr Dre e Snoop Dogg.

Seu trabalho humanitário também começou com força total, depois de uma viagem a África, onde ele até chegou a ser coroado rei honorário em Gana. Ele fundou a Isaac Hayes Foundation para oferecer estudo e condições aos necessitados.

Nos últimos anos de sua vida, Hayes ficou conhecido pelas novas gerações como a voz do Chef em “South Park”, do qual se afastou pelo programa por fazer críticas à Cientologia.

Ele faleceu em 2006 e será sempre lembrado por sua incrível contribuição artística, seja na música, cinema e TV além de suas causas humanitárias.

   Comentário RSS