Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
John Peel – Japa Girl












































































    Lunatic Magic Beware...🦇 Theophile-Alexandre Steinlen “Chat au Clair de Lune”, c 1900Greve Global pelo clima - São Paulo, 20.9.2019! É de suma importância que todos participem dessa greve global. Acontece que a Amazônia, o Pantanal e o Cerrado, continuam queimando, numa destruição avassaladora, apesar da pressão feita até agora. Além disso, incêndios se espalham por diversos cantos do mundo, como Sibéria, Indonésia e o continente africano. Não podemos relaxar, enquanto mudanças significativas sejam aplicadas de fato.Emocionante! Nunca vi passeata igual, com tanta gente. Acordamos. Graças à Deus e Deusa. Não podemos mais permitir que isso aconteça as Florestas e aos Animais. Fora demônio #forasalles #sosamazoniaPor favor assistam!Gigante pela própria natureza e pela própria ignorância 🇧🇷Precisamos ir para a rua protestar urgente!!! Profundamente abalada com a destruição de lugares sagrados, lugares que sustentam a Vida neste planeta! Todos vão sofrer as consequências desse desmatamento e queimadas! Árvores de 500 anos já eram! Estão encontrando animais queimados, jamais estudados ou conhecidos pelo homem! Estamos sentenciando nossa existência. #prayfortheamazonÉ com profundo pesar, estão cortando uma pequena floresta de no mínimo 70 anos, que cresceu numa casa desocupada. Ainda que haja autorização da PMSP e compensação em outro local, como fica o entorno? Quem irá compensar os morcegos e periquitos que moram nessas árvores?Unforgetable veggie lunch exxxperience!
Thank you so much @saporebrasil @pietroleemann @lideresempreendedores 
Risoto com aspargos verdes e abóbora, contraste de mousse de couve-flor defumada e arroz silvestre crocante.Happy Sunday!
Plantio de mais de 320 árvores nativas da nossa Mata Atlântica para #florestadebolso de Ricardo Cardim. @fabricadearvores 😉RIP #leeradizwill and #rudolfnureyev 🖤🖤

                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

Posts Tagged ‘John Peel’

Today’s Sound: Pete Burns por Arthur Mendes Rocha.

Pete Burns ficou conhecido como o vocalista do Dead or Alive, suas montações e agora também suas inúmeras cirurgias que acabaram por transformá-lo em outra pessoa.

Pete nasceu em 1959, de pai inglês e mãe alemã e esta sentiu desde cedo que seu filho era especial chamando-o de Star Baby.

No início de sua vida adulta, ele já mostrava interesse pela música, trabalhando em lojas de discos como a Probe Records em Liverpool, que virou ponto de encontro dos músicos da época.

Além de chamar muita atenção pelo seu visual com cabelo mega comprido com dreads, muita maquiagem, unhas postiças, tapa-olhos, além de um figurino bem andrógino. Ele afirmava inclusive que Boy George copiou seu estilo.

Em 1977, ele se dá conta que poderia cantar durante ensaios com o grupo Mistery Girls, que na verdade só tocou uma vez, abrindo um show do Sham 69.

Em 1979, ele forma o Nightmares on Wax (não confundir com o grupo de música eletrônica), grupo pós punk gótico que chegou a lançar alguns singles como “Black Leather”:

Depois de muitas trocas entre os membros da banda, em 1980, antes de uma sessão para o programa de John Peel, ele troca o nome da banda para Dead or Alive.

O primeiro single da banda foi em 1982, com “The Stranger”, que atingiu o sétimo lugar na parada de independentes e os fez assinar com a gravadora Epic. Um detalhe interessante é que nesta época fazia parte da banda Wayne Hussey (que foi para o Sisters of Mercy e depois formou o The Mission).

Em 1984 eles lançam o álbum “Sophisticate Boom Boom” que continha a música “That’s the way (I like it)” cover de K.C. & the Sunshine Band e seu primeiro top 40 hit na Inglaterra:

Foi com seu segundo álbum “Youthquake”, produzido por Stock, Aitken e Waterman (que depois produziriam Kylie Minogue, Jason Donovan, Rick Astley, entre outros) que eles alcançaram o sucesso, especialmente devido ao hit “You spin me round (like a Record), primeiro lugar nas paradas inglesas e em vários lugares do mundo:

Seu álbum seguinte “Mad, Bad, Dangerous to know” não teve o mesmo desempenho do anterior, já que não tinha um single forte, assim a música “Brand New Lover” só atingiu o 15º lugar na parada da Billboard:

O álbum ‘Nude” só teve sucesso em mercados como o Japão e Brasil, onde “Come home with me baby” chegou ao primeiro lugar na parada internacional:

Nos anos 90, a carreira do grupo ficou meio estagnada, alguns álbuns e singles de pouco sucesso. Os maiores hits continuavam sendo as coletâneas de sucessos e remixes de músicas antigas.

Pete Burns participou em 2006 do Celebrity Big Brother, reality show de sucesso na TV inglesa, onde ele voltou aos noticiários por suas declarações e por suas cirurgias, que acabaram modificando bastante seu aspecto, já que muitas delas não foram bem sucedidas.

Mesmo assim, ele continua na ativa, fazendo participações em programas na TV inglesa, além de shows (sem o Dead or Alive) como o Hit Factory, que acontecerá em Londres em julho deste ano em homenagem ao produtor Peter Waterman.

   Comentário RSS Pinterest   
 

TODAY’S SOUND: SOAP THE STAMPS POR ARTHUR MENDES ROCHA

Hoje, na quarta parte dos docs Music Nation, o tema é “Soap the stamps”, falando sobre a cena de punk hardcore na Inglaterra do início dos anos 80.

stamps - foto 1

Os jovens ingleses enfrentavam o governo Thatcher, uma forte crise econômica atingia o país e com isso, menos chance de emprego, isto os tornava ainda mais desiludidos e a saída para isso foi expressar sua revolta através da música.

stamps - foto 2

O termo Soap the Stamps (que pode ser traduzido como “ensaboando selos”) se refere ao modo como os punks e fãs do gênero na época trocavam correspondências, nas quais enviavam pelo correio, fanzines, mixtapes, demos, enfim, tudo o que pudessem fazer para ter acesso aos mais diferentes tipos de bandas de punk hardcore de outras partes do mundo, especialmente dos EUA.

stamps - punk zines

Os fãs eram obsessivos mesmo, iam fundo na sua procura pelo que gostavam e curtiam e, como a grana era curta, eles reaproveitavam os selos mergulhando-os no sabão para poderem ser reutilizados e trocar o maior número de informações possíveis.

stamps - COWBOY_KILLERS_1986.sized

Temos que lembrar que esta era uma época sem internet, a informação era duramente batalhada, e foi graças a isso que isso se espalhou e se tornou conhecido nas diferentes partes da Inglaterra e não apenas em Londres.

Na cena punk hardcore inglesa haviam bandas como Discharge, Chaos UK, Napalm Death, Crass, mas as mais faladas no doc são Heresy (na foto abaixo), The Stupids, Cowboy Killers, Ripcord, bandas surgidas no início dos 80 e cuja principal influência eram os sons das bandas americanas de hardcore.

stamps - heresy

 Como estas bandas já eram da terceira geração do punk hardcore, suas preocupações  não eram apenas política, eles queriam um som mais agressivo, mais rápido, mais pesado.

Eles não queriam o som mainstream do punk dos Sex Pistols, por exemplo, e sim um som mais underground, para quem realmente curtia aquele tipo de música.

stamps - the stupids

 As demos destas bandas eram ainda mais sujas e barulhentas do que quando lançavam a mesma música em disco por uma gravadora por exemplo.

 Todos falam muito da importante influência de John Peel (foto abaixo) e seus programas de rádio, no qual apresentava o som das bandas mais diferentes; ele gostava de extremos e dava chance para bandas novas, sempre antenado nas subculturas.

 stamps - john peel

 Assim, são entrevistados integrantes destas bandas como Tommy Stupid, baterista e vocalista dos Stupids; John & Baz, do Ripcord, Beddis, do Cowboy Killers (foto abaixo), todos contando fatos e histórias interessantes acontecidos na época.

stamps - cowboy

The Stupids está na trilha com três músicas; abaixo eles interpretam duas músicas “The memory Burns/Slumber party massacre”, ambas de uma Peel Session (as sessões de John Peel):

Já do Ripcord temos “Wicked”:

E do Cowboy Killers, “The kkk wives on Holiday”:

Uma das entrevistas mais legais é a do engenheiro Mark Harwood, que possuía um estúdio em Ipswich (celeiro de muitas destas bandas) e no qual ele explica como obtinha aquele tipo de som bem sujo, bem barulhento, utilizando equipamentos antigos, como alguns da guerra, e que faziam aqueles ruídos característicos das produções punks hardcore dos 80’s.

stamps - Chaos-UK

Harwood fala que se não fosse assim, este som não teria aquela atmosfera de bandas como o Extreme noise terror, banda surgida em 1985 em Ipswich e fundamental na cena hardcore hardcore inglesa (e ainda na ativa).

stamps -extreme+noise+terror

 Com o crescimento da cena hardcore inglesa, selos como Dischord e Touch & Go chegavam na Inglaterra através dos mixtapes trocados pelo correio, bem como subculturas como o skate punk.

stamps - james_sherry_crossfire

 

Outros depoimentos no doc são do historiador de punk, Ian Glasper; o promotor Paul Thorpe; James Sherry, do Crossfire Sound System, todos eles intensos fã e pesquisadores que admiravam esta cena e faziam parte para que o UK Hardcore viesse com tudo.

Abaixo, o documentário em versão completa:


   Comentário RSS Pinterest   
 

TODAY’S SOUND: X MAL DEUTSCHLAND‏ POR ARTHUR MENDES ROCHA


Warning: sprintf(): Too few arguments in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/addthis/addthis_social_widget.php on line 1154

O X Mal Deutschland foi uma banda que teve muito destaque nos anos 80, pois além de ser composta somente por mulheres e no início cantarem em alemão, eles conquistaram os góticos ingleses.

xmal---foto-1

A banda surgiu em Hamburgo, na Alemanha, em 1980 e tinha como líder, a vocalista Anja Huwe, com seus cabelos platinados e sua voz poderosa.

xmal---anja-1

Mesmo sem experiência musical, a presença de Anja é a força matriz do X Mal, comparada a Siouxsie e Blondie, ela é pura energia em suas apresentações.

xmal---anja-2

Enquanto a Inglaterra vivia o período pós punk e gótico, na Alemanha havia o ‘Die Geniale Dilletanten” ou o “Neue Deutsch Welle”, um movimento de contestação artística que pregava a quebra de regras e convenções musicais e do qual o X Mal participava.

xmal---foto-2

Completando o line up original da banda havia também: Manuela Rickers (guitarra), Fiona Sangster (teclados), Rita Simon (baixo) e Caro May (bateria) e seu primeiro single, ‘Schwarze Welt”, foi lançado em 1981 pelo pequeno selo alemão ZickZack.

xmal---foto-3

Depois de sua primeira apresentação, a banda deixa de ser só de mulheres com a substituição de Rita por Wolfgang Ellerbrock e lançam o single ‘Incubus Succubus”, um dos clássicos da banda:

O X Mal começou a chamar mesmo a atenção quando abriram um show na Inglaterra para o Cocteau Twins; foi aí que Ivo, o dono da gravadora 4AD, quis assinar com eles, impressionado com sua performance ao vivo.

xmal---foto-4

Aliás, Ivo declarou que na verdade o X Mal nunca conseguiu transportar para o estúdio o som de suas apresentações nos palcos.

Em 1983, elas lançam seu primeiro álbum pela 4AD, “Fetisch”, balanceando a neo-psicodelia com o som mais agressivo de seus EPs e no qual destacavam-se os single “Qual’ e “Orient’:

Agora o X Mal começava a se tornar uma banda conhecida, entrando para os charts ingleses independentes, ‘Fetisch” ficou no terceiro lugar na parada, mesmo cantando na sua língua nativa, o alemão.

XmalDeutschland--capa-.Feti

XmalDeutschland---foto-qual

A banda sai em turnê, e também grava uma session com John Peel, o DJ da BBC que fora conquistado pelo som deles e que depois acabou virando um EP.

Nesta época, ocorre mais uma baixa no X Mal: Manuela deixa a banda e no seu lugar entra mais um homem, Peter Bellendir, sendo que esta última formação foi a que mais teve longa duração.

xmal---foto-5

Em 1984, a banda lança seu segundo álbum pela 4AD, “Tocsin”, um dos hits era “Augen-Blick”, aqui em um vídeo com uma entrevista da banda:

Outro destaque do álbum era “Mondlicht”:

O álbum faz uma mistura de vocais à la Siouxsie e texturas estilo Cocteau, atingindo o 84º lugar na parada independente e uma nova versão para seu antigo hit “Incubus Succubus” desta vez intitulado de “Incubus Succubus II”.

capa-Tocsin

Em 1985, o X Mal lança o EP “Sequenz” que é quase uma regravação da Peel Session.

Este acaba sendo seu último álbum pela 4AD, já que o próximo eles lançariam pelo seu próprio selo, XILE, distribuído pela Phonogram.

xmal---foto-1a

Em 1986, eles abrem o show do The Stranglers em Wembley, Londres e Hugh Cornwell (vocalista do Stranglers) irá produzir seu próximo single.

xmal---foto-6

Em 1987, a banda lança o álbum “Viva”, considerado um de seus trabalhos mais refinados. A faixa que abre o álbum “Matador’, mostra um X Mal mais adulto, com um aproach mais pop, usando influências new wave e muitos sintetizadores:

‘Matador” tocou muito nas pistas nos anos 80, embalado por remixes.

X-Mal-Deutschlan---capa-Viv

“Viva’ também mostrava uma opção da banda por letras cantadas em inglês, como mostra “Sickle Moon”:

Porém, depois do lançamento de ‘Viva”, o X Mal sofre uma debandada geral com mais três integrantes saindo da banda.

Anja e Wolfgang são os dois membros que permanecem e se juntam a novos integrantes para gravar o álbum derradeiro: ‘Devils”, lançado em 1989.

xmal---anja-3

O primeiro single era “Dreamhouse”, mostrando que a voz de Anja estava mais madura, atingindo notas mais altas, porém o som deles estava bem mais comercial:

Apesar disto, o álbum não é um sucesso, além das brigas entre Anja e Wolfgang serem mais constantes sobre os rumos que a banda deveria seguir.

Xmal+Deutschland---foto-7

Em 1990, eles ainda fazem algumas aparições esporádicas, até terminarem de vez com o X Mal Deutschland.

xmal---foto-4

Hoje Anja dedica-se á pintura, onde transpõe para as telas um pouco de sua experiência musical, que pode ser conferido no seu site: anjahuwe.com.

xmal---anja-hoje

   Comentário RSS Pinterest