Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
michael jackson – Japa Girl












































































    Unforgetable veggie lunch exxxperience!
Thank you so much @saporebrasil @pietroleemann @lideresempreendedores 
Risoto com aspargos verdes e abóbora, contraste de mousse de couve-flor defumada e arroz silvestre crocante.Happy Sunday!
Plantio de mais de 320 árvores nativas da nossa Mata Atlântica para #florestadebolso de Ricardo Cardim. @fabricadearvores 😉RIP #leeradizwill and #rudolfnureyev 🖤🖤Wake up, Mthrfckrs! 
#10yearchallengeHappy Halloween from Vampirina 🖤“The Proposal” ( between 1880 - 1889) by Knut Ekwall (Swedish - 1843 - 1912)Full purple bloom galore!
#flordesaomiguel #violeteira #ravenala #kaizukaPapa Pirate & Mama Mermaid
#agathalunaJust opened! #cattleyaThe Death of Cleópatra 
Jean Andre Rixens - 1874

                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

Posts Tagged ‘michael jackson’

TODAY’S SOUND: 0S 30 ANOS DO FILME LABYRINTH POR ARTHUR MENDES ROCHA

Outro aniversário que acaba de ser comemorado é o dos 30 anos de “Labirynth” (Labirinto – A Magia do Tempo), filme de fantasia estrelado por David Bowie e dirigido por Jim Henson.

LABYRINTH-PCKSHT-3D-DIGI-BOOK-9-

Jim Henson, o criador dos Muppets, sempre teve a ideia de fazer um filme sobre gnomos.

Depois de dirigir a fantasia somente com bonecos, “Dark Crystal’ (o Cristal Encantado), Henson começou a discutir a ideia com Brian Froud, ilustrador conhecido por seus desenhos de figuras fantasiosas, que então colaborava com ele, e que foi o responsável pelos designs de ‘Labyrinth”, incluindo também o figurino.

lab jim

Froud mostrou seus desenhos para Terry Jones (um dos integrantes do Monthy Python) e este começou a escrever um roteiro a pedido de Henson.

Na verdade foram mais de 25 tentativas de roteiro até se chegar à versão final e que também teve a colaboração de Laura Phillips (de ‘Fraggle Rock”, também com bonecos de Henson), George Lucas (de Star Wars e também um dos produtores de “Labyrinth”), Dennis Lee (poeta e escritor de livros infantis como “Alligator Pie”) e Elaine May (atriz e roteirista, colaboradora de Mike Nichols), porém no filme só foi creditado Jones como único roteirista.

Labyrinth David Bowie the Goblin King, Sarah, Sir Didymus copy

Todas as versões de roteiros foram mostradas a David Bowie, já que Henson fazia questão da participação dele no filme, pois o papel de Jareth, o rei dos gnomos, pedia um popstar a sua altura. Até a bengala que ele carrega lembra um microfone na ponta (o que foi proposital).

lab5

Além de Bowie, Henson chegou a cogitar as participações de Michael Jackson, Prince, Mick Jagger e Sting.

Assim, depois de aprovada a versão final do roteiro, Bowie acertou sua participação no filme, onde ele está com uma peruca a lá Tina Turner (bem arrepiada), maquiagem com lápis preto e olhos bem marcados (com influência kabuki), calças apertadas e bem justas, jaquetas de couro, casacos brilhantes, enfim, ele ficou o perfeito rei dos gnomos, o temido Jareth.

labyrinth_8col

Bowie dá o charme e sensualidade certa para o papel, já que é ele que leva Sarah (Jennifer Connely) a sair de sua zona de conforto e ir atrás de seu irmão no Labirinto.

Para o papel de Sarah, a menina de 16 anos que não suporta ter que tomar conta do irmão, foi escolhida a atriz Jennifer Connelly, que hoje já é uma atriz bastante conhecida, tendo feito filmes como ‘Requiem for a Dream’ e ganhou o Oscar por “A Beautiful Mind” (Uma mente brilhante).

lab4

Para o papel de Sarah também fizeram testes atrizes como Helena Bonham Carter (que esteve casada recentemente com Tim Burton e já fez vários filmes como “Fight Club” (Clube da Luta), Jane Krakowski (de “30 Rock”), Sarah Jessica Parker (de “Sex & the City”), entre outras.

A estória começa quando Sarah está ensaiando uma peça fantasiosa e seus pais a pedem para que cuide de seu irmão mais novo, Toby, enquanto eles estão fora.

lab8

Sarah se revolta em ter que tomar conta do irmão e profere as palavras que fazem com que os Jareth e seus gnomos o raptem e o levem para o castelo, onde Toby será transformado num gnomo se Sarah não o salvar antes.

Assim, Sarah terá treze horas para chegar até o castelo para salvar seu irmão, mas antes terá que atravessar o labirinto para chegar lá.

Labyrinth2

O labirinto é cheio de surpresas: musgos com olhos, portas com figuras falantes, e durante sua trajetória, Sarah vai encontrando criaturas estranhas e deliciosas, todas concebidas pela imaginação absurda de Henson.

Os cenários construídos para o filme são lindos, muito bem executados, além dos bonecos, também incríveis e tudo foi feito pra ao filme sem efeitos especiais, já que era uma época que o CGI ainda não dominava as produções que envolviam fantasia e aventura.

lab7

Aliás, vale citar que o filme foi dos primeiros a utilizar um CGI de animais, já que a coruja que abre o filme foi feita com esta tecnologia.

Os únicos atores humanos são Bowie, Connelly, mais o irmão e os pais dela e os figurantes do baile.

Entre os amigos de Sarah estavam: Hoggle (um boneco anão que exigiu muitos movimentos faciais e que foi conduzido pelo filho de Henson, Brian e também Shari Weiser), Ludo (monstro grande conduzido pelo hoje famoso escultor Ron Mueck e por Rob Mills), Sir Didymus (um gambá conduzido por Dave Goezl e David Barclay), Wiseman (conduzido por Frank Oz, que além de ter feito vários trabalhos com Henson, virou diretor e também manipulou o Yoda da saga ‘Star Wars”), Ambrosius (o cachorrinho que serve de cavalo para Sir Didymus e conduzido por Steve Whitmire e Kevin Clash), entre outros.

Labyrinth-2-1

Outro boneco bem interessante é a Junk Lady, com sua cara assustadora e cheia de lixos em suas costas.

lab Junk

Bowie declarou que teve algumas dificuldades como contracenar com os gnomos, já que as vozes deles saiam de vários lugares, pois os marionetistas tinham que ficar “escondidos” em outras partes. Ele também teve dificuldade de lidar com a bola de cristal que Jareth carrega e fica fazendo malabarismos com esta, tendo sido necessária a presença de um mágico para substituir as mãos de Bowie.

Labyrinth-2

Bowie canta quatro canções no filme, sendo que uma das mais conhecidas é o tema do filme, “Underground”, que foi lançada como single para divulgar o filme e virou hit nas pistas da época, especialmente pelos remixes lançados. Abaixo o vídeo dirigido por Steve Barron (diretor de “Take on Me” do A-ha e “Billie Jean’ de Michael Jackson), onde ele mistura um pouco de animação e onde participam alguns dos bonecos de “Labyrinth”:

Abaixo uma cena do documentário ‘Inside the Labyrinth”, com cenas dos bastidores da gravação de algumas das músicas do filme, como “Underground”, que teve participação nos backing vocals de Chaka Khan, Cissy Houston (a mãe de Whitney), Luther Vandross, bem como da guitarra do blueseiro Albert Collins:

Outra música famosa do filme é ‘Magic Dance”, na qual Bowie contracena com os gnomos, todos dançando, pulando, e para isso foi necessário a participação de quase 50 marionetistas, incluindo anões que vestiam as fantasias. Abaixo a cena no filme e também o vídeo com os bastidores da filmagem com depoimento de Bowie, que parecia estar se divertindo:

Outra linda música no filme é “When the world falls down’, uma cena de sonho no filme onde Bowie (Jareth) dança com Connely (Sarah), numa espécie de sedução, com dançarinos vestindo máscaras que remetem ao Carnaval de Veneza, com uma atmosfera a lá séc. XXVIII (o filme “Eyes wide shut” também tem uma cena similar):

Abaixo os bastidores da filmagem da cena, do doc “Inside the Labyrinth”:

Outra música de Bowie na trilha é “Within you”, na brilhante cena toda feita em escadarias que lembram os desenhos de escadarias de M.C. Esher:

A trilha foi composta por Bowie juntamente com Trevor Jackson, autor de diversas trilhas para o cinema como “Excalibur”, ‘The Last of Mohicans” (O último dos moicanos”), entre outros.

“Labyrinth” é diversão para família, tanto adultos quanto crianças se fascinam com a estória da garota e suas aventuras neste mundo mágico, habitado por criaturas fantásticas.

lab1

Um rito de passagem da adolescência para a vida adulta, das brincadeiras para um mundo de responsabilidades, “Labyrinth” tem um design de produção impecável, como na cena em que Sarah cai num túnel cheio de mãos, na qual foram necessários cem pessoas para vestirem mãos de látex que formam olhos, rostos, bocas – como vemos na cena abaixo com os bastidores da filmagem:

Quando o filme estreou em 1986, infelizmente este não teve o sucesso e reconhecimento merecido, tendo custado mais de 25 milhões de dólares e tendo arrecadado menos da metade, 12 milhões de dólares, nas bilheterias.

Isto acabou por deprimir bastante o seu diretor, Henson, e este foi o último filme dirigido por ele, que faleceu em 1990.

LabyrinthReboot-970x544

Porém, com o passar dos anos, o filme virou cult, sendo apreciado por diversas plateias que até hoje vêm e reveem o filme, seja em DVD, em reprises ou em plataformas de streaming como o Netflix.

Para comemorar o 30º aniversário do filme, recentemente foi exibida uma cópia nova do filme no Shea Stadium, no Brooklyn, em NY, com participação de novas bandas interpretando músicas do filme.

Em setembro, está prevista novas datas em alguns cinemas americanos que irão exibir o filme em comemoração aos seus trinta anos.

labyrinth-3

Além disso, terá outro evento com um baile que recria o famoso baile do filme, com participação de Brian Henson e exibição de fotos inéditas do filme, bem como premiação para o melhor figurino.

Também será lançada uma nova edição em Blu-ray do filme, incluindo o documentário, livreto, fotos e extras especiais com depoimentos da família de Henson, Connelly, Froud, entre outros.

E a Amazon lançará a edição exclusiva do DVD incluindo uma réplica da cena da escadaria, como na foto abaixo.

labyrinth special edition

Também estão previstos lançamentos de games, bonecos, livros e muito mais.

Houve boatos de um reboot do filme, mas nada foi confirmado e parece que não vai mais acontecer (ainda bem).

Uma pena que tanto Henson como Bowie não estão mais vivos para ver como “Labyrinth” marcou tanto a cultura pop que o aniversário de 30 anos não passará em branco e ainda deve conquistar mais público que não teve oportunidade de ver este filme tão especial nos cinemas.

 

   Comentário RSS Pinterest   
 

Today’s Sound: Prince por Arthur Mendes Rocha

Prince é um dos maiores talentos que a música americana já produziu: músico, compositor, performer, arranjador, ele é um legítimo showman.

Até hoje não entendo como Prince não tem a mesma fama de um Michael Jackson por exemplo, já que genialidade é o que não lhe falta.

Prince Rogers Nelson (seu nome completo) iniciou sua paixão pela música em Minnesota, aos sete anos de idade, quando compôs sua primeira canção.

Desde então, ele não parou mais, criando músicas, trilhas, lançando vários discos e se consagrando como um dos grandes entertainers americanos.

Prince chama muita a atenção por sua persona nos palcos: ele se veste de maneira extravagante, com modelitos incríveis, além de dançar de maneira bem sexy, rebolar, pular, gritar e até fazer amor com sua guitarra: sua performance é absurda.

Lembro que nos anos 80, quando ele aparecia com seus modelitos meio barrocos, com muitos brocados, rendas, babados e aqueles acessórios na cabeça, um franjão crespo por cima do olho, ele já chamava a atenção e já se destacava.

Prince lançou seu primeiro álbum, ‘For you”, em 1978. Mas foi somente com o segundo disco, simplesmente chamado “Prince” de 1979, que ele estourou com as músicas “Why You Wanna Treat Me So Bad” e “I Wanna Be Your Lover”, tendo esta última vendido mais de um milhão de cópias e ficado no número UM da parada de soul music:

Logo em seguida, em 1980, ele lança “Dirty Mind”, puxado pela música título e também por ‘Uptown”, que alcançou o quinto lugar na parada soul da Billboard. O disco foi todo gravado no próprio estúdio de Prince e já mostrava canções com forte teor sexual.

Na época, ele acabou abrindo a turnê de outro astro funk: Rick James, bem como fazendo sua primeira aparição no programa Saturday Night Live.

Em 1981, ele lança “Controversy’, cuja música título também se torna um sucesso, fazendo com que ele comece a fazer suas próprias turnês em universidades americanas.

No ano seguinte é a vez de “1999”, álbum duplo que originou a música título, além de mais dois hits: “Little Red Corvette” e ‘Delirious”, tendo o álbum vendido mais de três milhões de cópias e tornando o nome dele conhecido fora dos EUA.

Neste período, a banda que o acompanhava chamava-se Revolution, com destaque para suas musas Wendy e Lisa, que o acompanhariam em vários shows e apresentações.

Além disso, ele também apadrinha artistas como Vanity e seu grupo Vanity 6, além de Apollonia, outra de suas musas (e affairs).

1984 é o ano chave na vida de Prince, pois é aí que estoura mundialmente o álbum e o filme “Purple Rain’, vendendo mais de treze milhões de cópias, além de tornar Prince um ídolo e ainda lhe dar um Oscar de melhor trilha sonora. Nunca esqueço de como Prince foi receber o Oscar, vestido com uma capa de paetês, ele era o ídolo máximo na época:

A trilha rendeu mega hits como “When Doves Cry’, ‘Let’s go Crazy’ e a própria “Purple Rain”.

Era a primeira vez na história da cultura pop que um artista liderava as bilheterias no cinema e tinha um álbum também no primeiro lugar.

Logo após este sucesso todo, ele ainda lança mais dois ótimos álbuns: “Around the World in a Day”, que tinha como um dos sucessos a música “Rasberry Beret’ e seu colorido vídeo:

E depois “Parade”, que tem o seu hit mais conhecido: “Kiss”

Em 1986, ele inicia a turnê mundial ‘Hit n Run – Parade Tour”, mas logo ao término desta resolve dissolver seu grupo Revolution, demitindo Wendy & Lisa e substituindo-as por Bobby Z e Sheila E.

Depois da tentativa de lançar algumas músicas já feitas, ele acaba tendo que optar por lançar o álbum duplo ‘Sign “O” the Times”, um brilhante trabalho encabeçado pela música título, além de ‘If I Was Your Girlfriend” e “U Got the Look “ (dueto com Sheena Easton). O disco também originou um show-doc que foi exibido nos cinemas e que possuía a energia de um show ao vivo.

Prince tem o seu próprio séquito, sejam seus colaboradores, músicos, estrelas, musas, mas ele exige dedicação e empenho total.

Além disso, Prince compôs músicas para vários artistas que vão desde Chaka Khan (I Feel for You) até Sinead O’Connor (Nothing Compares to You).

O próximo álbum dele seria o ‘Black Album”, álbum onde ele expermentou mais com ritmos como o hip-hop, mas que veio cercado de polêmcia, já que ele lançaria todo com a capa preta e acabou achando que o álbum era meio amaldiçoado, assim ele acabou sendo lançado em edição limitada e virou item de colecionador.

Em 1988, ele lança “Lovesexy”, um disco bem mais alto-astral que o Black álbum, mas que não teve tanto sucesso.

Logo em seguida ele é convidado pelo diretor Tim Burton para fazer a trilha da nova versão de ‘Batman”, que foi um estouro de bilheteria e a trilha atingiu o primeiro lugar em vendagens. O principal single era ‘Batdance”:

Eu cheguei a ver Prince ao vivo em Londres, na turnê Nude tour, desta vez a banda dele era a New Power Generation, sem Sheila E. e Cat, mas ele arrasava no palco com suas coreografias e movimentações, além de uma seleção de sucessos.

Depois da fracassada trilha e do filme “Graffiti Bridge”, ele concentra seus esforços no disco ‘Diamond & Pearls’, lançado no final de 1991 e com os hits ‘Get off’, “Cream”, entre outras:

Em 1993, Prince resolve trocar de nome e assinar como Love symbol (uma mistura dos símbolos sexuais masculino e feminino, conforme abaixo), o que causou muitos problemas em como se referir a ele, sendo assim a gravadora referia-se a ele como: “the artist formely known as Prince” (o artista que era conhecido como Prince) ou apenas ‘the artist’ (o artista).

Em 1995 ele até foi garoto-propaganda da Versace, já que sempre vestiu a etiqueta, além de ser amigo pessoal de Gianni e Donatella.

Depois desta mudança, Prince culpa cada vez mais a gravadora Warner pelas suas fracas vendas e acaba se desligando, depois de cumprir cláusulas contratuais em lançamentos de novos trabalhos.

Em 2000, ele volta a assinar Prince, está de gravadora nova (Arista), mas ele já não consegue emplacar hits como no passado.

Em 2004, ele se apresentou na entrega do Grammy junto com Beyoncé, cantando um medley de seus sucessos e com ótima repercussão:

No mesmo ano, ele lança ‘Musicology’, álbum que chegou a atingir o quinto lugar em vendagens.

Neste meio tempo, ele troca novamente de gravadora e desta vez vai para a Universal.

Em 2007, ele se apresenta no intervalo do Superbowl, um dos maiores eventos esportivos nos EUA e que escolhe a dedo os artistas que convida.

Seu trabalho mais recente é ‘2010”, lançado em 2010. Recentemente, ele esteve no programa de Jimmy Kimmel, conforme abaixo:

Prince é um dos poucos artistas a ter conquistado sete Grammys (e ser indicado mais de trinta vezes), quatro MTV Music Awards, além de vários BET awards (o prêmio da música negra), enfim, ele é um artista mega reconhecido pela sua contribuição inigualável no mundo da música pop.

   Comentário RSS Pinterest   
 

TODAY’S SOUND: STUDIO 54 POR ARTHUR MENDES ROCHA

Nos próximos posts, iremos falar um pouco dos clubs que marcaram época pelo mundo, seja em suas pistas animadas, como seus frequentadores, os Djs que comandavam as festas e a música que embalava estas noitadas.

Claro que teremos que começar pelo mais icônico de todos: O Studio 54! 

ER1_223543_STUDIO_54

O Studio abriu suas portas na memorável noite do dia 26 de abril de 1977, comandado por Steve Rubell e Ian Schrager, dois empresários da noite que resolveram se aventurar em criar aquela que seria a maior disco de todos os tempos. 

Steve Rubell e Ian Schrager, eternizados por Annie Leibovitz

Os dois haviam sido donos de uma discoteca chamada Enchanted Garden, mas que nunca bombou como eles queriam, já que sua localização no Queens não ajudava; as pessoas que não moravam nas redondezas, não se deslocavam até lá.

 O Studio tinha uma aliada muito forte em Carmen D’Alessio (que será tema de um documen-tário dirigido por Maurício Branco em breve), uma promoter super bem relacionada, que já havia trabalhado para Valentino e Yves Saint Laurent e conhecia boa parte do Jet-set internacional.

 Carmen D'Alessio cercada por Debbie Allen, Michael Jackson, Rubell e Lionel Richie

Carmen D’Alessio cercada por Debbie Allen, Michael Jackson, Rubell e Lionel Richie

Ela foi a responsável direta pelo sucesso do empreendimento de Rubell e Schrager; tendo sido a própria que mostrou o local para os dois fazerem o seu nightclub. 

Carmen com Andy Warhol

Carmen com Andy Warhol

O club ficava localizado na 254 West 54th Street (com tanto 54, o lugar só poderia se chamar assim) e a origem do nome vem de que lá já havia sido localizado um teatro e o Studio 52 da CBS.

studio - pista

 O projeto foi idealizado por Scott Bromley (arquiteto), Ron Doud (design de interiores) mais Brian Thompson, Jules Fischer e Paul Marantz no design de iluminação. Este time foi o responsável por tornar os ambientes do Studio cheio de trocas de cenários, bem no estilo teatral e que fascinava quem frequentava o lugar, com uma aura hollywoodiana.

 A pista acabou ficando localizada, onde anteriormente era o palco, ou seja, já havia a energia no local voltada para o “aparecer”, o ‘brilhar” dentro da pista.

studio - pista2

 Uma das surpresas da noite era uma lua em neon, que aspirava uma colher cheia de cocaína, a e que aparecia em cima da pista, nos momentos de ápice, e que só vinha a reiterar a ‘drug of choice” da noite. 

The famed Man in the Moon and Coke Spoon at Studio 54

As celebridades tornaram-se figuras indispensáveis lá e não era qualquer celebridade, eram aqueles que estavam no seu ápice na época, seja no cinema, na TV, nas artes, enfim na mídia tais como Mick Jagger, John Travolta, Michael Jackson, Cher, Farrah Fawcett, Brooke Shields, Olivia Newton-John, Jerry Hall, Divine, Calvin Klein, Elton John, Diana Ross, Margaux Hemingway, Debbie Harry, Margaret Trudeau (a então mulher do primeiro ministro canadense), Rick James, Baryshnikov e muitos outros. 

studio_54_celebrities-6648

Da esq. p a dir: Warhol, Calvin Klein, Brooke Shields e Rubell (se mordendo)

Rubell abrindo alas para a passagem de Yves saint Laurent e Lolou de la Falaise

Rubell abrindo alas para a passagem de Yves Saint Laurent mais Lolou de la Falaise e Marina Schiano na festa de lançamento do perfume Opium.

Claro que havia aquele grupo que eram os “habitués” tais como Andy Warhol, Grace Jones, Liza Minelli, Halston, Truman Capote, Bianca Jagger, Elizabeth Taylor, e outros.

studio_54_celebrities_2-6468

A ‘turminha” da ala VIP: Halston, Bianca, Jack Haley e sua esposa Liza Minelli.

Além disso, o club tinha suas figuras emblemáticas como a Disco Sally (a senhora que dançava sem parar, apesar dos seus 78 anos), a Lady Marian (que ia sempre nua), além de um número enorme de drag-queens, que iam para fechar, com modelitos ultrajantes e inesperados. 

Disco Sally aprontando nas pistas do 54

Disco Sally aprontando nas pistas do 54

Cada detalhe do club foi pensado por Rubell, desde a corda de veludo da porta, como as luzes que desciam até a pista; tudo para fazer com que a clientela tivesse a melhor experiência de suas vidas.E era justamente isto que tornava o Studio um lugar tão especial, além da door policy, onde Rubell escolhia a dedo quem entrava, ele queria que as pessoas lá dentro se sentissem seguras em ser quem desejavam ser, sem medo, sem receios.

 studio nude

A própria escolha de Rubell de quem deveria entrar não seguia um padrão de bastava ser famoso para entrar, você tinha que ser interessante, ter uma boa energia, estar vestido de maneira atraente. Certa vez, duas mulheres foram nuas e montadas a cavalo e ele deixou apenas entrar o cavalo que elas estavam montadas.

 Studio-54-13

Ele era um rei do marketing, já que sabia que a publicidade era a alma do negócio, assim o club começava a chamar a atenção na imprensa pelas celebridades que lá eram fotografadas.

studio 54 grace e divine

Divine e Grace Jones mandando ver numa festinha do Studio

Rubell dava o truque de que mantinha a privacidade, enquanto convidava fotógrafos escondidos para fotografar estas celebridades.

Studio -Liz Taylor, Halston, Bianca Jagger

Elizabeth Taylor numa animada noitada com Halston e Bianca

 Outras das ideias de Rubell, para diferenciar o local, foi criar festas temáticas onde a imaginação (e o orçamento) não tinha limites, podendo transformar o Studio num circo, numa fazenda (com cavalos e vacas de verdade), numa Disney, numa high school (para a festa de lançamento do filme “Grease”), ou seja lá qual fosse a piração daquele momento. 

studio crownd

As celebridades tinham o seu próprio local, que era o basement, onde havia a chamada VIP room, onde só entravam convidados e rolava de tudo um pouco.  

studio54

Foi realmente com a festa de aniversário de Bianca Jagger, na qual ela entrou montada em um cavalo branco, que o Studio 54 estourou mundialmente, tornando-o o nightclub onde todos queriam ir, mesmo que você fosse barrado na porta. Lembrando que a festa em si foi um fracasso, mas a sua repercussão na mídia mundial foi mais um golpe de mestre de Rubell.

studio54.jpg - bianca

A receita de sucesso do público do Studio era uma mistura de celebridades, gays, pessoas bonitas, europeus da alta sociedade, bem como desconhecidos, que faziam o lugar ser realmente especial. 

studio pista

A música contribuía para que tudo isto fosse um grande sucesso, já que a disco predominava nas paradas e o Studio 54 era a “ultimate disco”, o lugar onde o ritmo era o que dominava a noite. O baixo e a batida eram pulsantes o tempo inteiro e era lá que os DJs residentes Richie Kaczor (nos finais de semana) e Nicky Siano (que fora o criador do The Gallery e fazia o som do Studio nos dias de semana) mandavam ver para manter a pista sempre animada.

 A famosa cabine do DJ do Studio, somente para poucos e bons

A famosa cabine do DJ do Studio, somente para poucos e bons

Foi graças a Kaczor que a música “I will survive”, de Gloria Gaynor, clássico das discotecas, bombou da maneira que bombou, já que foi ele que apostou na música, que era o lado B de um single. É claro que a música virou um dos hinos do Studio 54.

 

Além desta, algumas músicas que não podiam faltar no Studio eram:

‘Le Freak” do Chic (música esta concebida quando Nile Rodgers e Bernard Edwards foram barrados na porta e ficaram tão putos que compuseram a canção, que na verdade queria dizer “Fuck off” e foi suavizada para o título final):

 

“Take me home” de Cher

 

“I love the nightlife” de Alicia Bridges

 

“Let’s all chant” de Michael Zagger Band

 

“Disco Heat” de Sylvester

 

“Boogie Oogie Oogie” de Taste of Honey

 

“He’s the greatest dancer” de Sister Sledge

 

 “In the Bush” do Musique:

A própria época que o Studio teve seus anos de glória, era o momento pós-Vietnã e pós-Watergate, a liberação sexual estava no auge e o club acabou refletindo estes novos tempos, onde o que importava era se divertir. Assim, em vários lugares de lá, sejam nas escadas, nos banheiros e principalmente no andar superior, na famosa “rubber’s room, com sua bancada de borracha preta, o povo fazia sexo normalmente, não importando com quantos e com quem. 

Studio 54

As drogas eram consumidas em grande quantidade, seja cocaína ou os quaaludes (também conhecido como mandrix ou methaqualona), distribídos por Rubell para seus amigos ou conhecidos e torná-los ainda mais loucões, fossem eles celebridades, políticos, esportistas, não importava. 

studio-54-e1425588554154

A festa parecia não ter fim, mas as declarações de Rubell e a sua ‘inocência” em dizer coisas na mídia como “only the Mafia does better” (somente a Máfia faz melhor), fez com que os fiscais do Imposto de Renda abrissem o olho e resolvessem dar uma batida surpresa na casa.

Halston e Liza dão um selinho ao lado de Rubell

Halston e Liza dão um selinho ao lado de Rubell

 Isto aconteceu no final de 1978, quando a polícia descobriu milhares de dólares escondidos em sacos de lixo, no forro do escritório, além de livros de contabilidade e mais dólares escondidos no apartamento de Rubell e também num cofre de um banco.

 Em 1979, ele e Schrager foram condenados a três anos e meio de prisão, por sonegação de impostos, mas não sem antes fazer uma grande festa de despedida, em janeiro de 1980, onde Liza Minelli e Diana Ross cantaram e ele, Rubell, entonou o trecho da canção “My way”: “I did it my way”… (eu fiz do meu jeito). 

Studio-54-7.jpg noite final

Diana Ross cantando sentada na cabine do DJ na última noite de Rubell e Schrager no comando do Studio.

O club fechou as portas de vez em 1981, enquanto os dois estavam na prisão.

Rubell e Schrager tiveram sua pena reduzida ajudando a polícia em descobrir mais donos de clubs que tentavam burlar o imposto. Alguns dizem que eles também revelaram alguns hábitos das celebridades, ganhando a inimizade de algumas.

studio54-101214-tbv

 Na sua dura readaptação, eles tiveram várias portas fechadas, já que muitos de seus amigos dos tempos de Studio se julgaram traídos pela exposição que tiveram com o escândalo.

Até que dois anos depois, eles conseguiram um empréstimo para abrir um novo conceito de hotelaria, com os chamados hotéis-boutiques, cujo primeiro deles foi o Morgan’s em NY.

 Studio-54-16

Mas a paixão pela noite os fez abrir mais um club em 1985: o Palladium, que não teve o mesmo sucesso do Studio, mas teve seus momentos de glória, só que a noite já não era mais a mesma.

 Rubell veio a falecer em 1989, vítima de uma hepatite crônica (que muitos acreditam ser em decorrência da Aids) e Schrager é um empresário de sucesso no ramo da hotelaria, abrindo vários hotéis durante os anos que se seguiram, tais  como o Hotel Delano (Miami).

Steve Rubell no Studio

Steve Rubell no Studio

 O club foi homenageado de inúmeras maneiras pela cultura pop, seja em livros, documentários e mais. Um deles foi o filme ‘54”, lançado em 1998, que acabou sendo um fracasso no seu lançamento, mas que acaba de ganhar uma versão nova, a ‘Director’s cut” (a versão do diretor) que inclui cenas deletadas e que mostram mais bafos do que acontecia lá, aguardemos então!

 

 

 

 

   Comentário RSS Pinterest