Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
Rock industrial – Japa Girl












































































    Encontrei essa cachorra, com mais de 10 anos, castrada, com uma cirurgia ainda cicatrizando na região torácica, cheia de moscas e pulgas, na pracinha em frente ao colégio Santa Cruz, região de Pinheiros. Muito fraca, está pele e osso. Internei no @citvet por 24 hrs, está inteira, sem anemia, sem infecção, fígado e rins bons! Acredito que fugiu! Por favor me ajudem compartilhando, deve ter um dono procurando por ela. Por hora, colocamos o nome de Angelita. #cachorraperdida #procurasecachorroHoje!!!
#climatestrikeLunatic Magic Beware...🦇 Theophile-Alexandre Steinlen “Chat au Clair de Lune”, c 1900Greve Global pelo clima - São Paulo, 20.9.2019! É de suma importância que todos participem dessa greve global. Acontece que a Amazônia, o Pantanal e o Cerrado, continuam queimando, numa destruição avassaladora, apesar da pressão feita até agora. Além disso, incêndios se espalham por diversos cantos do mundo, como Sibéria, Indonésia e o continente africano. Não podemos relaxar, enquanto mudanças significativas sejam aplicadas de fato.Emocionante! Nunca vi passeata igual, com tanta gente. Acordamos. Graças à Deus e Deusa. Não podemos mais permitir que isso aconteça as Florestas e aos Animais. Fora demônio #forasalles #sosamazoniaPor favor assistam!Gigante pela própria natureza e pela própria ignorância 🇧🇷Precisamos ir para a rua protestar urgente!!! Profundamente abalada com a destruição de lugares sagrados, lugares que sustentam a Vida neste planeta! Todos vão sofrer as consequências desse desmatamento e queimadas! Árvores de 500 anos já eram! Estão encontrando animais queimados, jamais estudados ou conhecidos pelo homem! Estamos sentenciando nossa existência. #prayfortheamazonÉ com profundo pesar, estão cortando uma pequena floresta de no mínimo 70 anos, que cresceu numa casa desocupada. Ainda que haja autorização da PMSP e compensação em outro local, como fica o entorno? Quem irá compensar os morcegos e periquitos que moram nessas árvores?Unforgetable veggie lunch exxxperience!
Thank you so much @saporebrasil @pietroleemann @lideresempreendedores 
Risoto com aspargos verdes e abóbora, contraste de mousse de couve-flor defumada e arroz silvestre crocante.

                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

Posts Tagged ‘Rock industrial’

TODAY’S SOUND: SCOTT WALKER POR ARTHUR MENDES ROCHA

Esta semana voltamos para a música, falando de alguns artistas que mesmo não sendo um estouro comercial, são famosos por sua música mais introspectiva e de qualidade inegável.

Hoje começaremos falando de um artista que estourou nos anos 60 e que se reinventou nos anos 00; ele é Scott Walker

Scott+Walker-foto-1

Scott nunca havia pensado em ser um cantor, apesar de gostar de música e performance, ele começou como um ator mirim no programa de Eddie Fisher (ex-marido de Debbie Reynolds e Elizabeth Taylor) nos anos 50.

SCOTT-WALKER_foto-2

Não demorou muito para que ele fosse comercializado como um ídolo jovem, assinando como Scott Engel:

Ele acabou mudando seu estilo quando se interessou por jazz, pela geração beat, pelo cinema europeu e aprendendo a tocar baixo. Depois de participar de alguns grupos, ele se uniu a John Maus e ambos trocaram sua identidade passando a assinar como John Walker e Scott Walker, ficando conhecido como The Walker Brothers, em 1964.

The+Walker+Brothers

Inclusive Scott não era para ser o vocal principal da banda, isto acabou acontecendo por acaso.
The Walker Brothers lançaram várias músicas, mas nos EUA eles nunca chegaram a estourar, seu sucesso aconteceu mais na Inglaterra, onde chegaram ao primeiro lugar das paradas com músicas como “Make it easy on yourself” (de Burt Bacharach):

e “The Sun ain’t gonna shine anymore”

Seu sucesso na Inglaterra foi tanto que uma época eles tinham mais fãs que os Beatles.
Porém, em 1967, depois de diferenças artísticas entre Scott e John e uma queda nas vendas, eles resolvem se separar.

Scott+Walker-foto-3

Scott então lança três álbuns solos seguidos: “Scott”, “Scott 2” e “Scott 3”, mesmo assim Scott estava cada vez mais recluso e optando por uma linha mais dark em seus trabalhos. Ele até chegou a passar um tempo em um monastério onde estudou canto gregoriano e música clássica.

Scott-Walker---Scott-3

Uma amiga sua que trabalhava na Playboy, o apresentou ao trabalho de Jacques Brel, o artista belga de canções mais lentas e profundas, da qual ele regravou “Mathilde”

E também “Jackie” (que mais tarde virou tema da irmã de Patsy em ‘Absolute Fabulous”):

Sua fama era tanta, que em 1969 ele chegou a ter um programa próprio na BBC chamado “Scott” onde cantava de tudo e havia uma tentativa em transformá-lo num cantor pop tradicional; imagens destes programas são raríssimas hoje em dia.

Em 1970, ele cantou o tema do filme “Sunflower” (Girassóis da Rússia), música esta que interpreta em um programa de TV abaixo:

Porém não era isso que Scott queria para sua carreira e lança o álbum “Scott 4”, apenas com composições próprias e assinando como Noel Scott Engel, o que contribuiu para o fracasso comercial do álbum.

Scott-Walker---Scott-4

Neste período, Scott entrega-se ao alcoolismo e lança álbuns apenas por razões contratuais, uma fase considerada ‘negra” em sua carreira.

Scott+Walker-foto-4

Em 1975, The Walker Brothers se reúnem novamente e gravam três álbuns juntos, porém nenhum deles atinge uma boa vendagem, apesar de serem bem recebidos pela crítica.

Walker-Brothers

Depois de 1978, Scott entra em um novo período de obscuridade, sumindo da vida pública por algum tempo.

Nos anos 80, ele ressurge graças à um novo disco ‘Climate of hunter”, mas logo desaparece novamente e sua música começa a gerar novo interesse nas novas gerações com o lançamento de seus álbuns em CD e também por coletâneas reunindo seus sucessos do passado.

Scott-Walker-compilação

Em 1995, ele lança um novo disco intitulado ‘Tilt”, onde experimenta composições próprias com influências de rock industrial e música clássica, acompanhado de orquestra e dos mais diferentes tipos de som.

Em 1998, ele faz a trilha do filme ‘Pola X”, dirigido por Léos Carax (diretor do recente “Holy Motors”).

Em 2006, depois de onze anos sem gravar, ele finalmente lança um disco pela gravadora inglesa 4AD intitulado “The Drift”, um trabalho bem diferente dos outros, com influências de música de vanguarda e Stockhausen e cuja música título podemos conferir abaixo:

No mesmo ano, é lançado o documentário “Scott Walker: 30 century man” produzido por David Bowie e incluindo depoimento de vários artistas influenciados por ele como Radiohead, Brian Eno, Jarvis Cocker, Sting, entre outros. Abaixo o trailer do filme:

Depois de tantos anos de obscuridade, Scott voltou com tudo: já se apresentou em 2008 com Drifting and Tilting: The Songs of Scott Walker  no Barbican em Londres, participou da música ‘Big Sleep” com o Bat for Lashes e no ano passado lançou um novo álbum de inéditas intitulado “Bish Bosh”.

Scott_Walker_30_Century_Man

 

Scott-bish-bosh

   Comentário RSS Pinterest   
 

Today’s Sound: Einstürzende Neubauten por Arthur Mendes Rocha

Continuando o tópico rock industrial, hoje o destaque é o grupo alemão Einstürzende Neubauten.

O Neubauten personifica uma banda industrial por excelência, eles foram uma das primeiras bandas experimentais de industrial e surgiram em Berlim, no ano de 1980.

A tradução para o seu nome é ‘novos prédios desabando” e o som da banda reflete bem isso, pois é barulhento (principalmente em seus primeiros discos), utilizando instrumentos não-convencionais como ferramentas de construção, metais, além de instrumentos tradicionais.

Um detalhe interessante foi que dois meses depois da formação da banda, o teto do hall do Congresso de Berlin realmente desabou, atraindo uma atenção inesperada para eles.

O grupo é formado por Blixa Bargeld, que também já foi membro da banda Bad Seeds, que acompanha Nick Cave; Alexander Hacke, N.U. Uhrun (ou Andrew Chudy), Jochen Arbeit e Rudolf Moser.

O Neubaten lançou seu primeiro álbum em 1981, ‘Kollaps” (“Collapse”), com sua mistura de punk rock e industrial. Sua apresentações ao vivo tornaram-se lendárias, pois também incluem destruições no palco.


Depois dos primeiros trabalhos, a banda lança em 1985 o álbum “Halber Mensch”, que demonstra maior maturidade com uma estrutura musical mais bem delineada, além de letras e vocais mais organizados. Em 1986, o cineasta Sogo Ishii lança um documentário sobre a apresentação deste álbum no Japão, conforme cenas abaixo:

Em 1987 e 1989, a banda lança dois novos álbuns muito bem recebidos nos EUA e Japão: ‘Fünf auf der nach oben offenen Richterskala” e “Haus der Lüge”.


Com a chegada dos anos 90, eles tentam uma nova experiência: musicar a peça “Die Hamletmaschine” de Henri Muller.


O álbum de 1993, “Tabula Rasa”, também mostra a música da banda ficando mais suave e mais eletrônica.

Em 1996, Blixa e a esposa de Hacke, Meret Becker, gravam um dueto de grande sucesso “Stella Maris” e logo em seguida a banda parte em turnê mundial.

Em 2000, eles comemoram os vinte anos do Neubaten com a turnê “20th anniversary”, além de lançar o álbum “Silence is Sexy”, que incluía a música “Sabrina”:

Nos anos seguintes, a banda continua a lançar novos álbuns, DVDs e inclusive lançando CDRs de apresentações de seus shows ao vivo, bem como disponibilizando aos fãs conteúdos para download, mostrando preocupação em manterem-se atualizados.

Em 2007, mesmo sem apoio de gravadora, eles lançam “Alles wieder offen” , além de excursionarem com a turnê do disco.

Em 2010, o Neubaten completou 30 anos com uma turnê européia e não dão sinais de parar tão cedo.

   Comentário RSS Pinterest   
 

Today’s Sound: Skinny Puppy por Arthur Mendes Rocha

Hoje o nosso foco será sobre rock industrial e o Skinny Puppy.

Como antes falamos de um sub-gênero do industrial, que é o EBM, o rock industrial própriamente dito também é bastante pesado, com forte influência do eletrônico e do pós-punk, é experimental, utilizando sintetizadores, guitarras distorcidas e várias fontes de instrumentos não-musicais como ruídos de metais, plásticos, sucatas e mais.


As temáticas são as mais variadas possíveis, mas com uma preferência por assuntos da contra-cultura, sejam cultos, seitas, com uma forte crítica à sociedade moderna e como a tecnologia vem transformando-a.


Um dos grupos de destaque do electro-industrial e que iremos abordar é o Skinny Puppy.

O Skinny Puppy surgiu no Canadá em 1983, formado por cEvin Key (ou Kevin Crompton, que era da banda synth-pop Images in Vogue)  e Nivrek Ogre, os únicos dois membros constantes da banda.



Seu primeiro EP foi ‘Remission”, de 1984, lançado pela gravadora Netwerk, com a qual lançaram seus principais trabalhos. Entre os destaques estava “Smothered hope”:

Seus trabalhos seguintes incluem ‘Bites” (1985), com a música “Assimilate”, além dos álbuns “Mind” (1986), ‘Cleanse, fold & manipulate” (1987):

De seu álbum ‘VIVISectVI” a música “Who’s laughing now” faz bastante sucesso, chegando a ser utilizada no filme “Bad Influence”:

Um de seus álbuns mais importantes, “Rabies” (1989), teve a participação de Al Jougersen do Ministry como em “Hexonexxon”:

Logo eles se destacaram com os fãs por misturarem de noise, electro, new wave e rock, além de samples inusitados.

Em suas turnês, abusavam das performances viscerais, que abordavam desde terror até guerra química, recheada de pesados comentários políticos.

Em 1993 eles deixam a gravadora Netwerk e se mudam para Malibu, enfrentando problemas com drogas e momentos de tensão entre seus membros, com o afastamento de Ogre e a overdose fatal de Dwayne Goettel (que havia entrado na banda em 1986).


Em 1996, eles finalmente conseguem lançar “The Process” pela nova gravadora a American Recordings, álbum conceitual e baseado num culto que prega a união do bem e do mal.

Apesar de seguirem caminhos separados, Key e Ogre voltam a se reunir em 2000 para uma apresentação especial no Doomsday Festival, na Alemanha, onde interpretaram “Choke”

Colocando suas diferenças à parte, eles voltaram a fazer uma turnê americana e a gravar os discos ‘The greater wrong of the right” (2004) e “Mythmaker” (2007).

Ainda hoje, continuam a fazer shows e mostrar toda a potência do rock industrial em suas apresentações.

   Comentário RSS Pinterest