Warning: include_once(wp-includes/images/pin.png): failed to open stream: No such file or directory in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: include_once(): Failed opening 'wp-includes/images/pin.png' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/japagirl/public_html/blog/index.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/japagirl/public_html/blog/index.php:2) in /home/japagirl/public_html/blog/wp-content/plugins/instagrate-to-wordpress/instagrate-to-wordpress.php on line 48
sid vicious – Japa Girl



























































                
       
















bloglovin



CURRENT MOON

Posts Tagged ‘sid vicious’

TODAY’S SOUND: NANCY SPUNGEN POR ARTHUR MENDES ROCHA

Nancy Spungen foi uma groupie que conseguiu fisgar o seu alvo, Sid Vicious; a vida dos dois virou filme, e ela foi tema de documentário que tenta explicar até sua misteriosa morte.

nancy1

Desde criança, ela teve um comportamento estranho, tendo sido diagnosticada como esquizofrênica aos quinze anos.

Ela foi expulsa de escolas, tentou roubar sua própria família, traficou drogas, aprontou de tudo um pouco até ser banida do estado do Colorado.

Nancy+Spungen+Immagine

 

Além disso, ela tinha uma péssima relação com sua irmã, chegou a tentar matar uma de suas babysitter, e tentou o suicídio, isto aos 14 anos.

Aos 17 anos, ela trabalha como stripper, além de correr atrás de várias bandas como o Aerosmith, Ramones, New York Dolls, Bad Company, entre outras.

nancy-spungen-640x521

Nancy era o próprio bafo em forma de gente, mas tinha um charme que conquistou vários roqueiros até chegar em Sid.

Ela não chegava a ser bonita, era maltratada pela vida, não se cuidava, se vestia geralmente de preto, com muito couro, meias rasgadas, camisetas detonadas, roupas tigradas, maquiagem meio borrada, com olhos enfumaçados, boca com batom vermelho forte,  lançando moda entre as mulheres punks.

nancy (1)

Sua preferência era mesmo por roqueiros que aprontavam todas, que não estavam nem aí para nada.

Por se considerar deslocada, insatisfeita com a sociedade, Nancy acabou se identificando com o movimento punk. Na época que morava em um apartamento alugado pela mãe, ela recebia os punks e lhes oferecia comida.

nancyspungen

Em 1976, depois de causar em NY, ela resolveu mudar de ares e foi para Londres, tendo como principal objetivo pegar Jerry Nolan, o baterista do New York Dolls e do Johnny Thunders & the Heartbreakers.

Ela conhecia Linda Ashby, que morava com os Sex Pistols e acabou fixando residência por lá.

Nancy-Debbie-nancy-spungen-23402035-700-465

Ela pensou em dar em cima de Johnny Rotten, mas este não teve o menor interesse por ela.

nancy, sid e johnny

Foi um passo para que ela se envolvesse com outro integrante da banda: Sid Vicious, o baixista dos Sex Pistols, o roqueiro mais trash dos últimos tempos, se injetava em banheiros fétidos, agredia quem bem entendesse, não tinha respeito por ninguém e ao mesmo tempo era o punk mais admirado do mundo.

nancyandsid

Apesar de toda banda ser contra o envolvimento dos dois, eles enfrentaram a tudo e a todos e eram apaixonados, se drogando juntos, vivendo do jeito que bem queriam e mais outra, eram celebridades do mundo punk.

O apelido pelo qual ela era conhecida, era “Nauseating Nancy” (nauseante Nancy).

nancy-spungen-sid-vicious-lemmy-kilmister

Apesar de ser detestada por vários, Legs McNeill (autor de “Mate-me se puderes”, a bíblia do punk) declarou sobre ela: ‘Nancy tinha uma destas paixões pelo rock & roll que poucas pessoas possuem. Ela sabia tudo sobre cada álbum. As groupies daquele tempo eram diferentes. Elas eram parte de uma cena. Todo mundo era tratado da mesma maneira. Os roadies eram tratados da mesma maneira que os astros do rock. As groupies eram tratadas como astros do rock. Tudo era muito democrático’.

nancy_spungen_by_twin_flames-d37lc6v

Reza a lenda que foi Nancy que apresentou a heroína para Sid e os dois acabaram vivendo intensamente o seu vício.

Além disso, havia sido ela que acendera o apetite sexual de Sid, ensinando a ele as mais diferentes posições e prazeres sexuais e criando nele a aura de sexy.

nancy_spungen_y_sid_vicious

Eles causavam por onde andavam e viviam brigando entre si, dizem que Sid batia nela com o seu baixo, era amor na base da porrada, no melhor estilo punk.

Londres acabou ficando pequena para os dois, que resolvem se mudar para NY e morar num dos lugares mais míticos de lá: o Chelsea Hotel.

nancy-spungen

O Chelsea era o lugar para ver e ser visto, o lugar que reunia as pessoas mais interessantes, seja das artes, música, literatura, havia de tudo por lá; além de figuras da noite, traficantes, prostitutas, era o legítimo pardieiro, mas com muito estilo.

Para se ter uma ideia, o Chelsea era ou tinha sido habitado por pessoas como Patti Smith, Robert Maplethorne, Charles Bukowski, Bob Dylan, Janis Joplin, William Burroughs, Leonard Cohen, Tennessee Wiliams, Madonna, Nico, a lista é enorme.

nancy e sid2

Ela chegou a ser banida da turnê que os Sex Pistols fizeram pelos EUA, pois não a aceitavam.

Até que esta história acabou tendo um fim trágico: em outubro de 1978, Nancy é encontrada morta no quarto deles no Chelsea, no banheiro, com uma facada no abdômen.

Nancy Spungen2

O crime ganhou as páginas dos principais jornais do mundo e a polícia desconfiou imediatamente de Sid, de que ele havia assassinado sua própria namorada numa bad trip de drogas.

nancy e sid3

Sid, sempre drogado, não lembrava de nada que havia acontecido e aceitou a prisão sem resistência.

Porém, a polícia não tinha provas contra Sid e ele acabou sendo solto depois de passar alguns dias na prisão.

Na prisão, ele escreve várias canções e poesias para Nancy, que nunca foram lançadas.

nancy backstage

Mas em 1979, Sid se suicida com uma overdose de heroína e morre aos 21 anos, no auge de sua juventude.

Ele deixou uma nota de que havia se matado para ser sepultado ao lado de seu grande amor, Nancy.

nancy e sid4

Um ótimo documentário foi realizado sobre as reais causas da morte de Nancy e a mais plausível é a que aponta para um traficante que habitava o Chelsea e era presença constante no apartamento deles. O trafi havia dado uma dose de heroína quase pura para Sid e enquanto ele curtia sua viagem, o traficante matou Nancy e Sid só veio a perceber depois.

Ou, segundo a versão de Malcom McLaren: como o ap deles estava sempre com a porta aberta, um ladrão entrou e para se defender, pegou uma faca que ficava pendurada na parede do quarto de Sid e acabou dando uma facada em Nancy. Dinheiro acabou sumindo do apartamento deles.

Outra versão é de que Nancy havia escrito a sua mãe que não viveria até os 21 anos (ela morreu com 20 anos) e Sid morreu aos 21, coincidência?

nancy e sid

O filme “Sid e Nancy”, de 1985, estrelado por Gary Oldman como Sid e Chloe Webb como Nancy também é imperdível, foi dirigido por Alex Cox (de “Repo Man”) e é um dos melhores retratos sobre o amor louco e suicida dos dois.

Se Sid continuasse vivo, será que saberíamos o que realmente aconteceu? Será que os dois fizeram um pacto suicida? Estas e outras respostas permanecerão sem respostas.

 

   Comentário RSS Pinterest   
 

TODAY’S SOUND: PUNK DE VOLTA À MÍDIA POR ARTHUR MENDES ROCHA

Depois de falarmos dos filmes punks, das bandas, de sua influência na cultura moderna, o punk volta à mídia com força total: primeiro com a exposição “PUNK: Chaos to Couture” no MET em NY e com o filme “CBGB”.

MET---foto-1

O punk e toda sua estética “suja” invadirá o templo da elegância: o Costume Institute do Metropolitan Museum of Art, que todo ano realiza uma grande exposição de moda sob a curadoria de Andrew Bolton.
Bolton diz que pensou na exposição não como uma linha de tempo linear do movimento e sim uma visão específica e conceitual do punk.

met--foto-2

Este ano, o evento de abertura, o famoso baile de gala da exposição, se realizará na segunda, dia 06 de maio, tendo como membro honorária a cantora Beyoncé, além dos co-membros que são: a atriz Rooney Mara (do filme “The girl with the dragon tatoo”), além da editora da Vogue americana, Anna Wintour, e também do estilista da Givenchy, Ricardo Tisci, e da socialite Lauren Santo Domingo (uma das proprietárias da Modus Operandi, uma das empresas que patrocinam o evento).

met---ricardo-tisci

A exposição vai mostrar a influência do movimento punk na moda, seja como inspiração para estilistas criarem seus modelos bem como tudo começou na Inglaterra dos anos 70, com a consultoria criativa do fotógrafo Nick Knight (famoso por capas de The Face, I-D, além de editoriais de moda, capas de discos e do site showstudio.com).

MET---foto-3

Estarão presentes as roupas mais marcantes do punk, como a camiseta “Anarchy in U.K.” usada pelos Sex Pistols, tendo ao fundo vídeos e músicas ilustrando o período.

met - anarchy in the uk t-shirt

Serão mais de 100 criações divididas em módulos como:
CBGB – O famoso clube de NY que lançou artistas como Richard Hell (foto abaixo) , Patti Smith, Blondie, Ramones, entre outros, incluindo a recriação de um banheiro do clube (cuja foto da cenografia pode ser vista abaixo)

punk---richard-hell

met - banheiro cbgb

Uma galeria inspirada por Malcom Mclaren e Vivienne Westwood e sua famosa loja “Seditionaires” (que depois se tornaria a ‘Sex”) na King’s Road em Londres, responsável por lançar a moda punk para ser consumida pela juventude da época.

met---malcom-e-vivienne

The clothes for heroes – com roupas de designers que levaram a moda punk além do gueto, influenciada por Jordan, personagem do documentário sobre fetiche ‘Dressing for Pleasure” (filme que os punks ingleses cultuavam). A sala será decorada com sacos de lixo, cassetes, cabeças de bonecas e até seringas.

met---jordan-in-dressing-fo

DIY Hardware – tendo Sid Vicious como ícone e o uso de alfinetes, giletes, rebites, correntes, zíperes na estética punk

MET---foto-sid

DIY Bricolage – o uso de materiais recicláveis e de consumo de massa pelos punks como fazia a transexual Jayne County (das bandas Backstreet Boys e Wayne County and the Electric Chairs), na foto abaixo com David Johansen (do New York Dolls)

met---wayne-county

DIY Grafitti and Agitprop – a provocação punk através de grafites, revistas, fanzines, além de textos de bandas como o The Clash
– DIY Destroy – tendo como figura central Johnny Rotten e seu estilo “rasgado’ influenciando o desconstrutivismo na moda de estilistas como os belgas.

MET-foto-johnny

Entre as roupas presentes na exposição estão o famoso vestido de Versace com os alfinetes dourados (usado por Elizabeth Hurley na foto abaixo), o tailleur Chanel “rasgado” criado por Lagerfeld, além de criações de Galliano, Mcqueen, Hussein Chalayan, Dior, Balenciaga, Prada, Stephen Sprouse, Martin Margiela, Yohji Yamamoto, Commes des Garçons, Viktor & Rolf, Dolce & Gabbana, Katherine Hammet e muitas outras.

met--vestido-versace

A exposição deverá ser um sucesso, apesar de opiniões contrárias como Legs McNeill, autor da bíblia punk “Please kill me” (Mate-me por favor), que acha que estes estilistas não tem nada a ver com o punk e que é uma fantasia masturbatória de Anna Wintour para se apossar de algo que não lhe pertence.

met---foto-4

A exposição estará aberta ao público a partir do dia 09 de maio, mas no dia 06, a entrada das celebridades no baile pode ser visto em streaming diretamente do tapete vermelho neste link: Punk Chaos To Couture.

Já o filme do CBGB, contando um pouco da história do lendário clube, deverá estrear este ano e será centrado na figura de Hilly Kristal, o empresário e dono do local, interpretado pelo ótimo ator inglês Alan Rickman.

cbgb---cartaz-do-filme

O filme é baseado na biografia da filha de Kristal, Lisa, que será vivida pela atriz Ashley Greene (da trilogia “Crepúsculo”).

cbgb---foto-atores-como-deb

No elenco também estão Marlin Ackerman como Debbie Harry, Johnny Galecki (do seriado ‘The Big Band Theory”) como Terry Ork, Rupert Grint (dos filmes de Harry Porter) como Cheetah Crome, o guitarrista da banda Dead Boys (na foto abaixo), Taylor Hawkins (da banda Foo Fighters) como Iggy Pop, entre outros.

cngb---foto-rupert

cbgb---poster-2

A direção é de Randall Miller, diretor ainda sem grande expressão e que dirigiu “Bottle Shock” (O Julgamento de paris), além de episódios de seriados como “Northern Exposure”.

cbgb---imagem-do-clube

Resta saber se o filme vai conseguir passar um pouco da energia que rolava no clube, bem como das incríveis performances que teve o lugar como palco principal dos primórdios do punk.

Para maiores informações, vale a pena visitar a página no facebook: CBGB The Movie Page

   Comentário RSS Pinterest   
 

TODAY’S SOUND: THE GREAT ROCK ‘N’ ROLL SWINDLE POR ARTHUR MENDES ROCHA

Esta semana, falaremos sobre os filmes punks e para iniciar nada melhor que “The Great Rock ‘n’ roll swindle” (A maior farsa do rock n’ roll), o filme que os Sex Pistols consideram uma grande armação de Malcom Mclaren, mas não tem como não se divertir com o tom debochado e as críticas à indústria fonográfica.

great-rock-1

O filme foi dirigido por Julian Temple, um dos maiores diretores de vídeoclipes de todos os tempos, responsável por clipes de Bowie, Stones, Depeche Mode, Sade e muitos outros.  Temple também dirigiu o longa “Absolute Begginers” e um outro documentários sobre os Pistols, “The filth and the fury”(uma espécie de resposta a Swindle).

O filme é um mockumentary, um misto de documentários e encenações que vão nos contando a história da banda, utilizando também animações, cenas de noticiários e muito mais, criando uma grande paródia.

great-rock---sex-pistols-2

Ele conta a história de como os Sex Pistols se transformaram de uma banda que não sabia tocar direito (no filme falam que não sabiam tocar nada) a uma grande sensação mundial.

great-rock---sex-pistols

O filme é narrado em grande parte pelo próprio “inventor” e empresário da banda, Malcom Mclaren, que fica dando as dicas de como fazer uma banda de sucesso em várias lições.

great-rock--malcmclarengood

Um dos pontos engraçados é o que ele conta como ele manipulou gravadoras como EMI, A&M, Warner para arrancar destas o máximo de lucro possível.

Além de Mclaren, o guitarrista Steve Jones também guia o filme como um detetive que quer descobrir a razão do sucesso dos Pistols e para isto enfrenta divertidas situações.

great-rock-3

O filme se passa exatamente quando John Lydon (o vocalista também conhecido como Johnny Rotten) havia saído da banda e esta estava para acabar, por volta de 1978 e foi lançado em 1980, quando a banda havia se separado.

John Lydon participou do início do projeto, mas acabou se retirando, recusando-se a participar. Assim, ele só aparece em imagens de arquivo e apresentações da banda previamente gravadas.

great-rock-4

Um dos pontos altos é o relato de como os Sex Pistols se aproveitaram do Jubileu da Rainha para fazer um show em um barco no mesmo dia e toda a controvérsia causada por eles, com incríveis imagens de todo este babado.

Foi justo neste momento que eles lançavam ‘God save the queen”, música esta que criticava a monarquia e que foi direto para o primeiro lugar da parada inglesa, sendo proibida de tocar nas rádios comerciais inglesas (já que a maioria eram ligadas ao governo).

great-rock---sex-pistols-2

As animações são bem interessantes também, pois satirizam bem a época e as situações vividas pelos Pistols durante sua carreira.

É dado bastante destaque a como eles dominavam a imprensa londrina da época, chocando a todos por onde passavam e conquistando as manchetes dos principais jornais de fofocas como The Sun, Daily Mirror, entre outros.

great-rock---sid

Ronald Biggs, o famoso ladrão do assalto ao trem pagador e que fugiu com a grana para o Brasil, sendo proibido de voltar à Inglaterra, tem papel de destaque no filme, já que dois dos integrantes dos Sex Pistols vão até o Rio para visitá-lo.

great-rock---biggs

Estas cenas no Brasil são bem divertidas, com eles participando do carnaval carioca, sambando com mulatas, andando de barco pelo Rio Amazonas e até gravando uma canção com Biggs:

Sid Vicious também tem importante papel, com várias cenas dele andando pelas ruas de Paris, fugindo da polícia, cantando uma prostituta (a qual ele atira uma torta na cara), como vemos abaixo:

Até culminar na cena em que canta “My Way” (famosa na voz de Sinatra) no Olympia:

Na trilha, diferente do filme, várias das canções da banda tiveram que omitir ao máximo a voz de Lydon (que já não estava mais na banda) e substituir pelas vozes dos outros integrantes da banda e até mesmo dos atores/personalidades convidadas para o filme.

Como é o caso de “Who killed Bambi’ na voz de Edward Tudor-Pole:

Também foram gravadas novas versões das músicas interpretadas por artistas de rua franceses (como “Anarchy in the UK”) e um medley de canções dos Sex Pistols interpretadas pelo grupo disco Black Arabs.

Outro detalhe é que o primeiro diretor contratado para dirigir o filme era Russ Meyer, o cultuado diretor de “Faster Pussycat, Kill Kill”,mas que ele teve que largar o projeto por impossibilidade de comunicação com a banda, além de diferentes pontos de vista.

Segundo o próprio Malcom: ‘Se você tem quatro artistas que não sabem tocar, por que não fazer um filme com quatro atores que não sabem atuar?”

great-rock---sid2

Na definição de Temple: “O filme é um documento vivo de seu tempo. É sobre toda a manipulação das coisas por Malcom e como uma coisa tão pura como o punk pode se estrepar de várias maneiras”.

Independente de toda polêmica, The Great Rock ‘n’ roll swindle é um filme que merece ser assistido para entender melhor todo o fenômeno que foi os Sex Pistols.

   Comentário RSS Pinterest